Legislativas 2011

Manifestante detido pela PSP após comício de Sócrates

Manifestante detido pela PSP após comício de Sócrates

Um manifestante que recusou identificar-se foi manietado e levado para a esquadra da PSP, depois de um momento de tensão e confrontos verbais no final do comício do PS, quinta-feira à noite, em Faro. Para José Sócrates foi "absolutamente lamentável".

A presença dos manifestantes, com cartazes contra as portagens na A22, fez-se notar durante todo o comício no Largo da Pontinha, com palavras como "ladrão" e "mentiroso" e assobios que ecoavam no recinto.

No final, quando José Sócrates se preparava para entrar no carro para deixar Faro, centenas de apoiantes socialistas rodearam o seu líder a gritar "PS, PS". Foi nesta altura que se registaram confrontos verbais duríssimos entre os apoiantes socialistas e os manifestantes.

Um dos participantes no protesto e que se destacava por ser dos mais interventivos, foi agarrado por dois agentes da PSP à paisana. Como recusou identificar-se, foi levado para a esquadra. Durante o percurso, reclamava: "Tenho o direito de saber por que razão estou a ser detido."

Os principais dirigentes socialistas queixaram-se de terem sido alvo de uma provocação, enquanto os manifestantes se queixaram de ter sido empurrados ou acotovelados.

Sócrates lamenta e PS/Algarve critica insultos

A uma pergunta de um jornalista sobre o carácter daquela manifestação, o secretário-geral do PS, José Sócrates, lamentou que existam pessoas "que não sabem respeitar a democracia".

"Acho absolutamente lamentável o que aconteceu. Enfim, é gente a quem a democracia deu direitos, mas que não sabem usá-los", acrescentou.

O líder do PS/Algarve considerou que os manifestantes anti-governo "insultaram e provocaram" as pessoas que se juntaram no comício socialista e não respeitaram a lei, já que se encontravam a curta distância do comício.

"Registaram-se acontecimentos reprováveis durante o comício do PS. Houve uma dezena de pessoas que se manifestaram e, mais do que isso, interferiram no comício do PS com provocações e insultos", acusou Miguel Freitas em conferência de imprensa após os incidentes.

Na sua perspectiva, o PS "reprova este comportamento, porque não é adequado ao combate democrático".

"A culpa foi de quem fez uma provocação e um insulto ao PS, que se reuniu democraticamente num comício com mais de mil pessoas. Mas um conjunto de cidadãos, que estão identificados com um movimento na região - e que fizeram um apelo ao voto em alguns partidos -, teve um comportamento reprovável", disse.

Miguel Freitas recusou-se depois a esclarecer a que partido esses manifestantes apelaram ao voto, mas militantes socialistas disseram aos jornalistas que alguns desses manifestantes estavam a apoiar o PSD.

Outras Notícias