Legislativas 2011

Sócrates defende continuação da prioridade à Ciência e Ensino Superior

Sócrates defende continuação da prioridade à Ciência e Ensino Superior

O secretário-geral do PS defendeu esta quinta-feira que a Ciência e o Ensino Superior "devem continuar a ser uma prioridade" do próximo governo, advogando que esse foi "um dos contributos mais fortes" para a competitividade da economia.

"A Ciência e o Ensino Superior têm que continuar a ser uma prioridade. Talvez o segredo para a evolução de todos os indicadores tenha sido uma certa estabilidade nas políticas", disse, num encontro com académicos e com o reitor da Universidade do Porto, Marques dos Santos.

Para Sócrates, o investimento em investigação e desenvolvimento "foi um dos contributos mais fortes para a competitividade da economia portuguesa".

"Uma das mudanças estruturais que o país teve nos últimos anos foi sem dúvida a elevação do seu potencial científico e da abertura das universidades. Essa foi uma mudança, uma reforma estrutural. O país não é o mesmo que era há uns anos atrás", afirmou.

Na companhia do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Mariano Gago, o candidato sublinhou que os indicadores portugueses em matéria de ciência colocam o país a par de "todos os indicadores médios da União Europeia e dos países desenvolvidos".

"Em todos os indicadores tivemos um progresso muito significativo. Por outro lado, as universidades tiveram uma abertura ao conhecimento e ao mercado do conhecimento global como não tinham há muitos anos", salientou.

Na reitoria da Universidade do Porto, Sócrates lembrou ainda que o país tem atingir o objectivo de 3% de investimento em investigação e desenvolvimento.

O reitor da Universidade do Porto saudou a passagem da caravana socialista pela academia, afirmando: "Vemos com muito interesse estas conversas com os candidatos às eleições, no sentido de garantir que a ciência e o ensino superior serão bem tratados no futuro".

Sócrates reuniu-se ainda com alguns investigadores da Universidade do Porto, destacando-se Mário Barbosa do INED, Nuno Ferrand do CIBIO e Cláudio Sunkel do IBMC.