Legislativas 2011

Passos Coelho defende trabalho cívico para quem recebe RSI e pode trabalhar

Passos Coelho defende trabalho cívico para quem recebe RSI e pode trabalhar

O presidente do PSD introduziu, segunda-feira à noite, na sua campanha para as legislativas o tema do Rendimento Social de Inserção, defendendo que quem recebe essa prestação e pode trabalhar deve fazer trabalho cívico.

Pedro Passos Coelho, que discursava na Quinta do Santoinho, em Darque, no concelho de Viana do Castelo, recebeu palmas quando defendeu esta posição, que consta do programa eleitoral do PSD.

O presidente do PSD contou que, segunda-feira de manhã, conversou com um jovem que servia às mesas num restaurante e se queixou de não ter direito a um estágio remunerado no final do curso por ter sido trabalhador-estudante, "ganhando a vida para poder estudar".

Por sua vez, "aqueles que recebem RSI (Rendimento Social de Inserção) e que trabalham não passando recibos, esses são premiados pelo Estado", acrescentou Passos Coelho.

"É disto que falo quando falo de haver justiça. O RSI é necessário, mas é necessário para quem precisa. E aqueles que o recebem e que não são idosos, e que não são deficientes, e que podem trabalhar, que ajudem as instituições de solidariedade social com trabalho cívico e de voluntariado para ajudar os que precisam ainda mais", concluiu, recebendo mais aplausos.

Passos Coelho respondeu antecipadamente a quem possa temer medidas como esta: "Eu sei que há gente em Portugal que pensa que estas ideias podem ser perigosas. Mas deixem-me dizer: o que é perigoso em Portugal é este pântano em que aqueles que não merecem são premiados e aqueles que se esforçam lutam muito para pagar impostos".

Por outro lado, no seu discurso, o presidente do PSD elogiou a ex-bastonária da Ordem dos Advogados Maria de Jesus Serra Lopes, que também discursou na Quinta do Santoinho, pela "dedicação absoluta" com que ocupou esse cargo, sublinhando que o fez "sem nenhuma retribuição".

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado