Legislativas 2011

PSD condena proposta de recolha de votos feita por jornal brasileiro

PSD condena proposta de recolha de votos feita por jornal brasileiro

O Partido Social Democrata (PSD) condenou, este sábado, "qualquer situação" que ponha em causa o sigilo do voto, demarcando-se da iniciativa de um jornal do Rio de Janeiro, que se propõe ir a casa dos eleitores buscar os boletins e enviá-los para Portugal.

"Qualquer situação aparentemente irregular que possa pôr em causa o sigilo do voto é naturalmente condenável", disse à Lusa, José Cesário, cabeça de lista do PSD pelo círculo Fora da Europa.

José Cesário comentava assim a iniciativa do jornal "Portugal em Foco", propriedade de uma conhecida apoiante social-democrata, que divulgou na última edição a sua disponibilidades para recolher os votos dos eleitores inscritos para as próximas legislativas e enviá-los para Portugal.

PUB

O jornal diz que pretende "estimular" os portugueses a serem mais participativos nestas eleições e disponibiliza dois números de telefone para fornecer ajuda àqueles que precisem de auxílio para o envio do envelope com o boletim de voto.

Benvida Maria, directora do jornal há 38 anos, é mãe de Felipe Marques Mendes, representante do Partido Social Democrata (PSD) no Rio de Janeiro e responsável pelas campanhas do partido na cidade.

Benvinda Maria confirmou que a ajuda está a ocorrer e explicou que a campanha é feita pelo jornal e não pelo partido, e que não tem relação com as iniciativas partidárias do filho.

Benvinda Maria mencionou que cerca de 300 pessoas já solicitaram a ajuda e que algumas pedem auxílio por não conhecerem bem os procedimentos necessários para o voto.

Ressalvando não ter conhecimento da notícia, José Cesário sublinhou que se o "apelo é feitos nesses termos, independente de ser feito por A, B ou C, é condenável".

"Considero inadmissível este tipo de coisas", disse, acrescentando que neste "momento existem grandes preocupações com a votação no Brasil", sem avançar mais pormenores.

O Partido Socialista (PS) anunciou já que vai apresentar queixa contra a proposta do jornal brasileiro por considerar tratar-se de uma "flagrante violação da lei eleitoral e do princípio da individualidade e sigilo do voto".

Para a Comissão Nacional de Eleições (CNE), a proposta do jornal "viola a lei, mas pode não constituir ilícito eleitoral".

Os emigrantes votam por correspondência para as eleições legislativas num processo que, principalmente Fora da Europa, tem gerado frequentes suspeitas de manipulação dos votos com troca de acusações entre PS e PSD, partidos que habitualmente elegem os quatro deputados dos círculos da emigração.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG