Presidenciais 2011

Alegre assume derrota sozinho

Alegre assume derrota sozinho

"A derrota é minha. Não é daqueles que me apoiaram. Tenho pena e peço-vos desculpa por não ter conseguido fazer melhor." Alegre assumiu sozinho a responsabilidade do resultado (19,75%), inferior a 2006, mas rejeitou comparações com outras eleições.

"Em Democracia não é vergonha perder. Vergonha é fugir ao combate e não saber pelo que se luta".

Visivelmente abalado pelo resultado, e sem a voz forte que lhe é característica, Manuel Alegre subiu, sozinho, ao palco do hotel Altis, em Lisboa, para assumir "pessoalmente" a responsabilidade de não ter alcançado o seu objectivo: a passagem a uma segunda volta.

PUB

"Não foi o Partido Socialista que perdeu este combate", disse, agradecendo os apoios do PS, BE, PCTP-MRPP e dos movimentos independentes, e rejeitando que tenha sido penalizado pela contestação às medidas impopulares do Governo.

Alegre lembrou que "todos os candidatos, a começar pelo vencedor, tiveram menos votos" - no seu caso, menos cerca 300 mil do que há cinco anos, quando enfrentou, sem apoios partidários, o candidato oficial do PS, Mário Soares. E assumiu continuar a ser do PS, apesar de nem sempre estarem de acordo

"Sou do PS. Estou com o PS nos combates para o bem e para o mal", disse, embora tenham sido poucos os socialistas que se viram a apoiá-lo no Altis.

José Sócrates, Almeida Santos e António Costa estiveram na sala a ouvir a declaração, mas saíram rapidamente do hotel, a tempo de não se cruzarem com Francisco Louçã, líder do BE, que também por lá passou a dar um abraço. Presentes estiveram também Maria de Belém, Idália Salvador Serrão, Ana Paula Vitorino, Edite Estrela e Ana Gomes.

Do BE, estiveram Miguel Portas, Marisa Matias, Helena Pinto, Mariana Aiveca e Jorge Costa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG