Notícias

Internacionalizar exige trabalho conjunto para promover a imagem de Portugal

Internacionalizar exige trabalho conjunto para promover a imagem de Portugal

Como internacionalizar uma feira a partir da periferia da Europa? Sem ser possível transportar fisicamente o parque de exposições do local onde está instalado, existem várias formas de tornar os certames internacionais. Num patamar diferente das mega feiras mundiais que atraem expositores e visitantes de todo o mundo, a Exponor está a marcar pontos à medida que a retoma da economia ibérica ganha forma. José Trigo Reto, diretor da Exponor, aponta a Espanha como mercado natural de expansão e considera que a Europa é mais importante que a lusofonia como geografia de internacionalização.

Não há crise que sempre dure... Nem limites às ideias para aproveitar a retoma mais desejada. Exportar é a palavra mais querida no léxico do "Portugal S.A." Para quem tem dificuldade em perceber como se internacionaliza uma feira aqui ficam as três vertentes avançadas por José Trigo Reto, diretor da Exponor: realizar certames nacionais noutros países, levar grupos de expositores nacionais ao estrangeiro ou atrair expositores estrangeiros a participarem em feiras portuguesas. "Há vários anos que a Exponor atua nestes três domínios. Fizemos feiras em Angola, Moçambique, Cabo Verde. Já tivemos e entretanto vendemos a maior feira de vinhos da América do Sul, o que de certa forma significa exportar know how da Exponor." Outro exemplo é a parceria com o parque de feiras de Bilbau para a realização da Expocosmética Bilbau.

Internacionalizar: um trabalho conjunto

A contração do mercado doméstico reduziu o número de expositores estrangeiros a marcarem presença em feiras portuguesas. A retoma da economia está a inverter esta tendência mas Trigo Reto defende um esforço conjunto entre a Exponor, os expositores nacionais e instituições como a AICEP. "Os grandes parques de exposições internacionais defendem com unhas e dentes os principais setores industriais do país ou da região onde se encontram." O diretor da Exponor acrescenta que este trabalho 'de equipa' deve ter como prioridade manter feiras muito fortes em Portugal para atrair o maior número de visitantes internacionais. "É importante para defender a imagem do país e permitir que muitas micro e PME - que não têm condições para estar em certames internacionais - possam expor em feiras portuguesas e consigam clientes internacionais que virão a Portugal apenas se as feiras forem grandes." Trigo Reto avança com outro argumento de peso: o estrangeiro que se desloca a feiras nacionais vem para comprar produtos portugueses ou com uma altíssima probabilidade de comprar 'português' enquanto numa mega feira que atrai expositores de todo o mundo "somos um entre muitos que expõe".

Reinventar em cada edição

Novos conceitos de feiras, motivos de atratividade para os visitantes e qualidade dos serviços são fundamentais para manter os certames apelativos. Segundo José Trigo Reto, estes aspetos não dependem apenas do parque de feiras que é um agente facilitador do contacto entre expositores e visitantes. "Os expositores têm de ser agressivos na forma de captar a atenção dos visitantes. Além de ações de formação para os primeiros, a Exponor dá-lhes produtos de marketing para os ajudar a promoverem-se."

Espanha: o mercado natural

A quase totalidade da faturação da Exponor - acima de 90% - tem origem no mercado nacional. "A maioria dos parques, com exceção das mega feiras mundiais vivem dos clientes que existem num raio de 500 quilómetros." Espanha é a principal geografia de negócios. Trigo Reto indica que "a Espanha encara Portugal quase como um mercado doméstico. Quanto mais percetível for a retoma nos dois países, mais expositores espanhóis teremos cá." Além do país vizinho, acrescenta como mercados importantes os do ocidente europeu como Alemanha, França, Itália e Reino Unido." E conclui que os países lusófonos podem ser importantes mas na atração de visitantes uma vez que é dispendioso para um expositor vir do outro lado do mundo expor a um mercado pequeno como o português. Alguém ouviu falar de 'massa crítica'?

Números

1856

Na segunda metade do século XIX, a AEP promoveu a primeira feira industrial e foi responsável pela Exposição Industrial do Porto de 1861, que teve lugar no Palácio da Bolsa do Porto, contando com oito halls e galerias que exibiam o estado da arte da produção industrial da época.

1865

Passaram quase 150 anos desde que a AEP organizou a Exposição Industrial Internacional do Porto e da Península, no Palácio de Cristal, construído especificamente para o efeito. Contou com mais de três mil expositores de diversos países da Europa, EUA e Japão.

1987

Já lá vão quase 30 anos desde a inauguração do Parque de Exposições EXPONOR em Leça da Palmeira - Matosinhos, com 20 mil m2 de área coberta, fruto de uma parceria entre a Associação e o Gabinete Portex.

1998

Em 1998 a Exponor passou a organizar certames fora de Portugal (Galiza e Cabo Verde). Em 1999 foi criada a Exponor Brasil, com sede em São Paulo, dedicada à organização de feiras e exposições na América do Sul.