Outras Selecções

Polvo previu triunfo mas a Alemanha viu-se em palpos de aranha

Polvo previu triunfo mas a Alemanha viu-se em palpos de aranha

A Alemanha venceu, hoje, sábado, o Uruguai, por 3-2. Um resultado que garantiu aos germânicos o honroso terceiro lugar no Mundial de 2010.

No jogo de consolação, o Uruguai deu exceletne réplica à Alemanha e esteve muito perto de empatar, no último lance do jogo. Na cobrança de um livre, Forlan acertou na barra. O árbitro apitou para o fim logo a seguir.

Os uruguaios até se podem queixar da malapata do animal de oito membros. A bater na barra, a bola confirmou a previsão do polvo Paul, molusco elevado durante o mundial a estrela psíquica, que tinha previsto a vitória da Alemanha, suavizando, assim a ira germânica que se instalou quando o animal adivinhou a derrota da “manschaftt” frente à Espanha.

Os uruguaios podem esquecer a rivalidade com os vizinhos e  juntarem-se aos argentinos, que culpam Paul, o polvo, pela derrota da selecção de Maradona frente à Alemanha, nos quartos-de-final da prova. Na Argentina, não falta gente a dar receitas sobre como tratar o molusco mais famoso do Mundo.

Foi a oitava previsão acertada de Paul. Até agora, o animal acertou todos os resultados da Alemanha. A previsão de que a Espanha vai vencer a Holanda, amanhã, na final (19.30 horas) levou milhares de britânicos a mudar o sentido das apostas.

A Alemanha marcou primeiro, por Thomas Mueller, aos 19 minutos, o Uruguai empatou, aos 28, por Edimson Cavani, e colocou-se em vantagem no marcador, aos 51, por Diego Forlan, tendo os germânicos reposto a igualdade, aos 56, por Marcell Jansen, e garantido a vitória por Sami Khedira, aos 82.

Mueller e Forlan chegam aos cinco golos na prova, igualando o espanhol David Villa e o holandês Wesley Sneijder, que se defrontam domingo na final, em Joanesburgo.

A Alemanha, campeão mundial 1954, 1974 e 1990, consegue pela quarta vez classificar-se na terceira posição de um Mundial de futebol.

O Uruguai tentava na África do Sul chegar ao terceiro título na prova, após os triunfos em 1930 e 1950.