Mundo

23 milhões sem trabalho nos EUA

23 milhões sem trabalho nos EUA

A economia dos EUA criou 171 mil postos de trabalho em outubro, mas a taxa de desemprego subiu para os 7,9%. A quatro dias das eleições, este é um tema cada vez mais presente nos discursos de Obama e Romney.

O s números do relatório do Departamento do Emprego, ontem divulgado, mostra uma ligeira recuperação da economia americana no último mês, embora o número de pessoas desempregadas se situe ainda nos 23 milhões. Segundo a BBC e a CNN, o aumento da taxa de desemprego tem um lado positivo. Significa que mais pessoas começaram a procurar trabalho, uma vez que só estas contam para as estatísticas.

A quatro dias das eleições, estes números não são, contudo, totalmente favoráveis a Barack Obama. Desde Roosevelt que nenhum presidente tentou a recandidatura com uma taxa de desemprego tão elevada. Mesmo assim, Roosevelt ganhou.

E Obama também irá tentar capitalizar estes resultados. Num comício no Ohio (um dos estados decisivos), o presidente lembrou que foram criados 5,4 milhões de postos de trabalho durante o seu mandato. "Fizemos progressos reais, mas estamos hoje aqui porque sabemos que temos mais trabalho para fazer", frisou. Também o candidato republicano invoca os números ontem divulgados para apelar à votação num novo projeto político. "O aumento do desemprego mostra-nos que a economia está paralisada", argumenta. "O presidente Obama prometeu mudança, mas não conseguiu", lembrou ontem, também numa ação de campanha no Ohio.

Efeitos do "Sandy"

No relatório, o Departamento do Trabalho refere que o furacão Sandy - que provocou perto de 100 mortos - quase não teve qualquer efeito no desempenho da economia em outubro, mas o mesmo não se poderá dizer relativamente aos próximos meses.

Muitas empresas e comerciantes da costa leste já anunciaram que não vão reabrir os seus negócios, devido aos prejuízos elevados e ao facto de não possuírem seguros que os ajudem a pagar pelo menos parte dos estragos. Outras empresas vão estar paradas por um período mais ou menos longo antes de conseguirem ter condições para retomarem a atividade. Contudo, alguns analistas referem que o "Sandy" poderá dar um contributo a algumas áreas da economia, nomeadamente às empresas ligados à reconstrução de edifícios e infraestruturas.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG