Arqueologia

A pintura rupestre mais antiga da Austrália tem mais de 17 mil anos e mostra um canguru

A pintura rupestre mais antiga da Austrália tem mais de 17 mil anos e mostra um canguru

Uma equipa de cientistas descobriu, na região de Kimberley, na Austrália Ocidental, uma pintura que retrata um canguru e que foi criada há cerca de 17.300 anos, o que a torna na arte rupestre mais antiga do país. Esta pintura tem cerca de dois metros de comprimento e foi produzida no tecto inclinado de uma gruta.

Num estudo publicado na revista Natural Human Behaviour, chegou-se à idade desta obra através do processo de datação por radiocarbono, na qual foram analisados 27 ninhos de vespas situados por cima e por baixo de pinturas semelhantes. Os ninhos acima da pintura serão mais recentes do que a obra e os mais abaixo serão mais antigos. A principal fonte de carbono nesses ninhos, que são compostos principalmente por lama, são fragmentos de carvão.

A representação do canguru estava entre uma série de pinturas rupestres identificadas pela primeira vez por investigadores na década de 1990, em Kimberley, onde existe uma das maiores coleções do mundo de arte rupestre indígena. Esta pesquisa faz parte de um projeto multidisciplinar para datar as pinturas rupestres da região, que usa várias tecnologias para estudar a evolução dos desenhos.

"É importante que o conhecimento e as histórias indígenas não sejam perdidos e continuem a ser partilhados pelas gerações futuras", avisa Cissy Gore-Birch, presidente da Balanggara Aboriginal Corporation, à BBC.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG