Escândalo

Acusações sexuais provocam falência dos Boy Scouts

Acusações sexuais provocam falência dos Boy Scouts

Organização juvenil norte-americana quer criar fundo para indemnizar mais de 12 mil vítimas abusadas ao longo de 72 anos.

As múltiplas despesas judiciais geradas pelos julgamentos de acusações sobre abusos sexuais levaram a instituição escutista Boy Scouts of América (BSA) a declarar falência num tribunal do Estado de Delaware. Com a medida de urgência, esperam criar um fundo de compensação às 12 254 pessoas abusadas entre 1944 e 2016.

A declaração de falência faz com que todas as ações cíveis promovidas contra a associação - incluindo as de abuso sexual de menores - fiquem suspensas, servindo como um colete salva-vidas para os BSA, que assim pode continuar com as atividades nas delegações locais.

Ainda não se conhece o montante que a organização investirá no ressarcimento das vítimas, mas calcula-se que poderá andar perto de mil milhões de dólares (920 milhões de euros). Se não conseguir essa quantidade de fundos, a organização deverá vender propriedades, algumas delas já hipotecadas, dado que tem ativos estimados em cinco mil milhões de dólares (4600 milhões de euros). A BSA, que tem sede em Irving, no Texas, celebrou no dia 8 de fevereiro 110 anos de história e conta com mais de 2,2 milhões de membros dos cinco aos 21 anos de idade, tem um passivo calculado em 100 a 500 milhões de dólares (92 a 460 milhões de euros).

Pedido de desculpas

Os BSA emitiram um comunicado a explicar a decisão ("É a melhor forma de indemnizar as vítimas de modo equitativo e preservando a sua identidade") e a solidarizar-se com as vítimas, pedindo novamente desculpas pelos factos passados. "Temos que continuar com nossa responsabilidade social e moral para que as famílias das vítimas recebam uma compensação. Pedimos desculpas a todos os que tenham sofrido danos".

A compensação e o pedido de desculpas não são nada comparáveis com o sofrimento dos escuteiros que se inscreveram na associação para divertir-se e receberam um tratamento que deixou traumas psicológicos e agora veem que muitos destes crimes não serão julgados. "Estes jovens fizeram um juramento para entrar na organização. Comprometeram-se a ser obedientes, comprometeram-se a apoiar os Scouts e comprometeram-se a ser honrados. Muitos deles estão extremamente chocados porque o que lhes aconteceu na BSA foi precisamente o contrário", lamentou Paul Mones, advogado que representa centenas de vítimas.

Os Boy Scouts of América esconderam durante décadas as acusações envolvendo vários pedófilos dentro da organização, até que, em 2012, uma investigação de Janet Warren, professora contratada pelos BSA, revelou os documentos secretos que incriminavam 7819 agressores. Chamaram-lhes "dossiês da perversão".

Mesmo tendo conhecimento do comportamento dos voluntários, os Scouts limitaram-se a afastar os acusados, sem denunciar os abusos às autoridades. De acordo com várias fontes norte-americanas, o número de vítimas nos BSA pode superar o número de pessoas abusadas por membros da Igreja Católica no país.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG