Rússia

Ainda há 43 feridos hospitalizados devido a queda de meteorito

Ainda há 43 feridos hospitalizados devido a queda de meteorito

Há 43 feridos que continuam hospitalizados na região dos Montes Urais, na Rússia, devidos a ferimentos causados pela onda de choque de um meteorito que caiu na zona, na sexta-feira, de que resultou mais de 1100 feridos.

De acordo com as últimas informações fornecidas pelo governo da região de Tchéliabinsk, a mais afetada, 1158 pessoas, das quais 289 são crianças, ficaram feridas devido à queda do meteorito na sexta-feira.

Cinquenta e duas pessoas foram hospitalizadas na sexta-feira, entre as quais 13 crianças. "Os feridos ligeiros começaram a ter alta do hospital", informou e o governador da região Mikhaïl Iourevitch, acrescentando que 40 adultos e três crianças continuam internados, embora os médicos considerem o seu estado estável.

O ministro da administração interna havia dito que dois dos adultos estavam em estado grave, nomeadamente uma mulher que sofreu uma fratura da coluna vertebral porque o impacto da onda de choque a fez cair de umas escadas, necessitando de ser transferida para um hospital de Moscovo.

Um meteorito, que os cientistas russos estimam que tivesse dez toneladas, desintegrou-se na sexta-feira de manhã perto da cidade industrial de Tcheliabinsk.

Os fragmentos do meteorito caíram na terra sob a forma de bolas de fogo, acompanhadas de explosões violentas, que semearam o pânico entre a população.

O governador da região, Mikhaïl Iourevitch, estimou que os prejuízos materiais são de cerca de um milhão de rublos (25 milhões de euros).

Já o presidente russo, Vladimir Putin, ordenou que fosse feito tudo para ajudar a população afetada e as autoridades locais apelaram à população para que não entre em pânico.

A agência russa da energia atómica assegurou que as suas instalações na região não foram afetadas pelo fenómeno.

Em 1908 ocorreu uma situação semelhante na Sibéria, o "meteorito de Toungouska", cujo impacto se fez sentir em centenas de quilómetros.