EUA

Alabama executa recluso deficiente mental com aval do Supremo Tribunal

Alabama executa recluso deficiente mental com aval do Supremo Tribunal

O estado norte-americano do Alabama executou um recluso deficiente mental condenado por assassinar um homem em 1996, após a maioria conservadora do Supremo Tribunal ter recusado suspender a aplicação da pena de morte.

Na segunda execução dos EUA num único dia, esta quinta-feira, um homem negro de 43 anos recebeu a injeção letal na prisão de Holman no Alabama, sem pronunciar quaisquer últimas palavras ou querer comer alguma coisa durante todo o dia.

A defesa tinha procurado impedir a execução, argumentando que era intelectualmente deficiente e que não lhe tinha sido dada a ajuda de que necessitava para decidir quando lhe foram entregues os documentos em 2018, permitindo-lhe alterar o método pelo qual a sua sentença de morte seria executada.

Os advogados argumentaram que isto o privou da oportunidade de escolher um método supostamente menos "tortuoso" que nunca foi utilizado nos EUA: a hipoxia de azoto, aprovada no Estado em 2018.

Dois tribunais validaram esse pedido e interromperam a execução, mas o Estado recorreu ao Supremo Tribunal, que, por uma maioria de 5-4, manteve a sentença.

Apenas um dos seis juízes conservadores, Amy Coney Barrett, se opôs à decisão de validar a execução, tal como os três juízes progressistas do tribunal.

Reeves foi condenado à morte pelo homicídio de Willie Johnson em 1996, um homem que lhe deu boleia numa autoestrada em Selma, Alabama, para ser morto a tiro de caçadeira após ter sido roubado em 360 dólares (323 euros).

PUB

A sua foi a segunda execução até agora em 2022 e também a segunda execução do dia nos Estados Unidos: algumas horas antes, o estado de Oklahoma executou um outro homem negro condenado por assassinar dois funcionários de um hotel num assalto em 2001.

Diagnosticado com esquizofrenia, foi declarado morto após receber uma injeção letal na Penitenciária Estadual de McAlester, a sul de Tulsa, de acordo com o Departamento Correcional de Oklahoma.

Durante a última década, a opinião pública nos Estados Unidos afastou-se da pena de morte, as condenações caíram e as execuções também: de 98 em 1999 passaram para apenas 11 em 2021, limitadas a um punhado de estados do sul como Texas, Geórgia e Alabama.

Vinte e três dos 50 estados já aboliram a pena de morte , enquanto outros três têm uma moratória ativa e outros dez não executam reclusos há mais de uma década, de acordo com o Centro de Informação sobre a Pena de Morte.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG