Guantánamo

Alimentação forçada em Guantánamo "vai contra ética médica"

Alimentação forçada em Guantánamo "vai contra ética médica"

O presidente da Associação Médica dos Estados Unidos, enviou, na segunda-feira, uma carta ao secretário da Defesa, Chuck Hagel, advertindo que vai contra a ética médica obrigar profissionais a alimentar à força presos de Guantánamo, noticia o "Daily Medical".

Na missiva, Jeremy Lazarus pede ao pessoal da base naval norte-americana situada em território cubano que tenha em conta que pedir a um médico que proceda à alimentação forçada de presos "adultos e mentalmente capacitados" em greve de fome vai contra os princípios médicos da profissão.

A chamada de atenção coincide com a chegada de 40 médicos à base de Guantánamo, onde, segundo um porta-voz do centro de detenção, já existem 100 detidos, de um total de 166, que se recusam a comer.

As greves de fome em protesto pela situação de indefinição verificada em Guantánamo e pelas alegadas duras condições do centro tiveram início em fevereiro, generalizando-se ao ponto de cerca de duas dezenas de detidos terem que ser alimentados por uma sonda.

Várias organizações internacionais garantem, já há alguns dias, que o número de presos em greve de fome ascende a pelo menos 130, uma estimativa rejeitada, contudo, pelo Pentágono.

A senadora democrata Dianne Feinstein, presidente do Comité de Informações da Câmara Alta, apelou, na semana passada, à Casa Branca para que retome o processo de transferência de 86 detidos que receberam 'luz verde' para serem libertados da base de Guantánamo.

"O facto de muitos detidos terem passado mais de uma década em Guantánamo e de acreditarem que não se avista o fim da sua situação é uma das razões para os crescentes problemas e para os cada vez mais detidos em greve de fome", vincou Dianne Feinstein, numa carta endereçada ao conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Tom Donilon.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG