África

Almajiris: O pesadelo da educação islâmica na Nigéria

Almajiris: O pesadelo da educação islâmica na Nigéria

Mais de 300 pessoas, entre elas crianças e jovens, foram encontradas numa escola islâmica, na Nigéria, com sinais de maus tratos. As escolas Almajiris, de educação islâmica, são acusadas há anos de práticas desumanas contra alunos no norte do país.

Tinham as roupas rasgadas, sinais de violência no corpo e histórias de horror para contar fora da prisão onde viviam na cidade de Kaduna, no norte da Nigéria. Eram alunos de uma escola Almajiri, um sistema de educação islâmica comum neste país, que lida há anos com alegados casos de desumanidade e abuso a crianças e jovens.

A educação numa escola Almajiri é muitas vezes encarada pelos pais nigerianos, com menos possibilidades financeiras, como uma forma de garantir formação, casa e comida aos filhos. As Almajiris funcionam como um internato e uma solução para a maioria da população que vive com menos de dois dólares por dia, segundo dados da Reuters.

Os casos de abuso e escravidão nestas escolas islâmicas sucedem-se na imprensa internacional e local da Nigéria, com relatos de crianças obrigadas a mendigar na rua. As histórias foram suficientes para alertar para o problema e consciencializar a classe política, mas a realidade parece quase intrínseca no país, com a notícia de mais uma história de terror na cidade de Kaduna.

"O governo federal quer uma situação em que todas as crianças, em idade para frequentar a escola primária, estejam na escola em vez de estar a pedir nas ruas", escreveu o presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, numa declaração em junho.

Num país onde muçulmanos e cristãos convivem lado a lado, as escolas islâmicas continuam a motivar muita preocupação e revolta no país. O governo nigeriano reconhece que os currículos estão desatualizados e que é urgente uma reforma no sistema de educação. Muitas das escolas Almajiris carecem também de professores e instalações com condições básicas de higiene e dignidade.

O governante revelou que a eliminação total das escolas Almajiris está a ser pensada, mas não acontecerá de forma imediata. Os esforços para mudar a realidade da educação já estão no terreno, segundo o governo nigeriano. Alguns programas de oferta gratuita de refeições nas escolas terão chegado a 9,8 milhões de crianças na Nigéria.

A educação representa, contudo, uma parte ínfima do orçamento do país: cerca de 1,7%, de acordo com o Fundo Monetário Internacional. Muhammadu Buhari não comentou, até ao momento, o caso da última semana na escola de Kaduna

De acordo com a Muslim Rights Concert, uma organização local que promove os direitos dos muçulmanos na Nigéria, dez milhões de crianças frequentam escolas islâmicas no norte do país.