Mundo

Antigo alto quadro do órgão anticorrupção na China acusado de receber subornos

JN/Agências

Foto Epa

Um ex-responsável pelo combate à corrupção na China foi indiciado por acusações de suborno, a poucas semanas do arranque do 20.º Congresso do Partido Comunista Chinês, que deve atribuir ao líder Xi Jinping um terceiro mandato.

A acusação a Liu Yanping, que chefiou a filial do Ministério de Segurança do Estado da Comissão Central de Inspeção e Disciplina do Partido Comunista Chinês (PCC), está a ser encarada como mais um lembrete da promessa de Xi Jinping de combater a corrupção em todos os níveis de poder.

Na sexta-feira passada, o ex-vice-ministro da Segurança Pública Sun Lijun foi condenado à pena de morte com uma suspensão de dois anos por acusações de manipular o mercado de ações, aceitar subornos e outros crimes. O caso envolveu pelo menos dois ex-funcionários do ministério.

A imprensa estatal disse que Liu aceitou "enormes" quantias de propriedade em troca de favores. O antigo alto quadro do órgão anticorrupção foi expulso do PCC, no início deste mês, num sinal de que seria indiciado, julgado e quase certamente condenado a uma longa pena de prisão.

A investigação apurou que Liu "perdeu os seus ideais e convicções" e que é "politicamente corrupto". O ex-responsável "trocou o poder político por interesses e usou o seu poder como uma ferramenta para obter capital político, benefícios pessoais e riqueza", avançou a imprensa estatal chinesa.

Liu Yanping "envolveu-se também em atividades supersticiosas" e aceitou convites para jogos de golfe, banquetes, passeios e serviços médicos pagos por empresários privados, "comprometendo a sua imparcialidade no desempenho de funções oficiais", acrescentou a imprensa.

No caso de Sun Lijun, um ex-ministro da Justiça e um ex-funcionário do PCC foram acusados de conspirar com ele, e receberam penalidades semelhantes.

Sun foi condenado por receber 646 milhões de yuans (92 milhões de euros) em subornos e acusado de usar a sua posição, em 2018, para manipular a negociação de ações, visando ajudar um operador a evitar perdas. Também foi acusado de abandonar o seu cargo durante um surto de covid-19.

Sun foi nomeado anteriormente num processo do Departamento de Justiça dos Estados Unidos da América (EUA) contra o magnata dos casinos de Las Vegas, Steve Wynn. O processo visou obrigar Wynn a registar-se como agente estrangeiro, devido ao seu envolvimento em ações de influência promovidas pelo Governo chinês.

O processo diz que altos funcionários, incluindo Sun, pediram a ajuda de Wynn, para que os EUA negassem o pedido de visto de um cidadão chinês, de acordo com a queixa.

Pequim queria que o homem, acusado de corrupção e de solicitar asilo político, regressasse à China.

Desde que assumiu a liderança do Partido Comunista Chinês, em 2012, Xi Jinping lançou uma vasta campanha anticorrupção, que resultou na punição de altos cargos do partido, líderes de empresas e organizações públicas, ou oficiais superiores do exército.

O 20.º Congresso do PCC, que decorre em outubro, deve atribuir a Xi Jinping um terceiro mandato de cinco anos como secretário-geral, rompendo com a tradição política das últimas décadas no país.

Relacionadas