Talibãs

Apresentadoras de televisão afegãs obrigadas a cobrir o rosto

Maria Oliveira

No início deste mês, as mulheres foram ordenadas a cobrir o rosto em público

Foto Mads Claus Rasmussen/epa

Depois de no início deste mês as mulheres afegãs terem sido ordenadas pelo Ministério de Promoção da Virtude e Prevenção do Vício do Afeganistão a cobrir o rosto sempre que estivessem em público, esta quinta-feira, sofreram mais uma restrição. Agora, um comunicado dos talibã enviado ao Grupo Moby, que detém a Tolo News, meio de comunicação que partilhou a medida, obriga as mulheres apresentadoras de televisão a cobrir o rosto quando estão a apresentar as notícias. A medida é "final e não negociável".

"Com base nas informações recebidas pela Tolo News, a ordem foi emitida a todos os meios de comunicação no Afeganistão", informou o canal de notícias. O novo decreto está a ser amplamente criticado no Twitter, com muitos a considerarem esta medida mais um passo dos talibãs para promover o extremismo e cortar direitos às mulheres.

"O mundo usa máscaras para proteger as pessoas da covid. Os talibãs implementam máscaras para proteger as pessoas de verem os rostos das mulheres jornalistas. Para os talibãs, as mulheres são uma doença", tweetou uma ativista.

Depois de tomarem o poder em agosto do ano passado, os talibãs tinham adiado a emissão de novas leis sobre o que as mulheres deviam usar, até este mês. A juntar ao uso obrigatório de uma burca em público, as mulheres estão proibidas de viajar sem parentes masculinos e as raparigas não podem frequentar o ensino secundário.

O não-cumprimento das ordens impostas pelos talibãs pode levar a uma série de punições.

Relacionadas