Palestina

Atriz israelita Gal Gadot bombardeada nas redes sociais

José Miguel Gaspar

Foto Epa/hfpa

A milionária de 36 anos que dá corpo à "Mulher Maravilha" pronunciou-se no Twitter sobre o conflito com a Palestina. Mas foi arrasada pelos fãs.

"O meu coração está despedaçado. O meu país está em guerra. Preocupo com a minha família, os meus amigos. Preocupo-me com o meu povo", escreveu a atriz Gal Gadot no Twitter no dia 12 de maio.

Aquilo que começava, e continuava, como um post anti-guerra, rapidamente perdeu os propósitos humanitários aos olhos de milhares de seguidores, que acusaram a atriz de 36 anos de ser um poster do regime israelita e da propaganda sobre a ocupação da Palestina.

O post de Gal Gadot continuava: "Este é um ciclo vicioso que já dura há muito tempo. Israel merece viver como uma nação livre e segura. Os nossos vizinhos merecem o mesmo. Rezo pelas vítimas e pelas suas famílias, rezo para que esta hostilidade inimaginável termine, rezo para que os nossos líderes encontrem a solução para que possamos viver lado a lado em paz. Eu rezo por dias melhores".

"És um soldado de Israel"

O depoimento, que era encimado pelo emoji de um coração rachado ao meio, foi severamente criticado, com os seguidores da atriz a apontarem que ela própria é "um soldado de Israel" que apoia a "limpeza étnica" e o "genocídio em massa" e que "estava na linha da frente da propaganda sionista".

Gadot, que conhecemos como "Mulher Maravilha" e que vamos ver proximamente como Cleópatra no novo filme de Patty Jenkins, serviu, de facto, dois anos como soldado nas Forças de Defesa de Israel, apontaram outros fãs da artista, sublinhando que o serviço militar é mandatório para homens e mulheres israelitas assim que fazem 18 anos de idade.

Atriz fecha os comentários

Apesar da forte polémica, a atriz não retirou o seu post - mas foi obrigada a fechar os comentários -, que segue agora, 24 horas após a publicação, com 129 mil gostos e 131 mil retweets.

O músico James Kennedy fez um comentário de semântica particularmente afiada: "Gal Gadot está errada. Israel não está "em guerra' com a Palestina. Israel está a massacrar a Palestina. Mais uma vez", escreveu.

Bem Norton, editor do "The Grayzone News", ainda mais assertivo, não poupou palavras e disparou: "A soldado israelita que se tornou multimilionária de Hollywood envia pensamentos e orações sem sentido, enquanto o regime de apartheid israelita, que ela apoia, limpa etnicamente os palestinos e bombardeia os habitantes de Gaza num campo de prisioneiros a céu aberto".

Muitos outros seguidores notaram que Gadot, uma ex-Miss Israel, só usou a designação "os nossos vizinhos" e "não teve sequer coragem de escrever as palavras "Palestina" ou "palestinianos"". E, vincou uma fã, "isso é demasiado revelador da sua falta de valor".

Palestina: 87 mortos. Israel: 7 mortos

O conflito entre Israel e a Palestina, que dura há décadas em latência, explodiu novamente esta semana.

Tudo começou com Israel a expulsar dezenas de palestinianos da cidade de Jerusalém oriental. O Hamas, partido islâmico cujo nome quer dizer "movimento de resistência", retaliou e já lançou mais de mil mísseis contra Israel. O Estado judaico respondeu e fez subir a escala, atacando com armamentos pesados, destruindo a Torre Al-Farouk, na cidade de Gaza, o que levou a nova retaliação do Hamas.

O presidente de Israel, Reuven Rivlin, já alertou contra a guerra civil, relata a Reuters. E a agitação doméstica entre os judeus israelitas e a comunidade árabe pró-palestiniana viu uma sinagoga, casas e carros incendiados, vivendo-se agora entre os tumultos da violência em turba. O desfecho é imprevisto. A comunidade internacional está a criticar as ações de ambos os lados.

O número de palestinianos mortos na região desde o início da atual escalada militar com Israel subiu para 87, entre eles 18 crianças e oito mulheres, indicou o Ministério da Saúde da Palestina.

Do lado israelita, o número de mortos mantém-se em sete, incluindo uma criança de cinco anos.

Destruição em Gaza

 foto SAID KHATIB / AFP

Destruição em Gaza

 foto SAID KHATIB / AFP

Destruição em Gaza

 foto SAID KHATIB / AFP

Destruição em Gaza

 foto SAID KHATIB / AFP

Destruição em Gaza

 foto SAID KHATIB / AFP

Destruição em Gaza

 foto SAID KHATIB / AFP

Destruição em Gaza

 foto HAITHAM IMAD/EPA

Destruição em Gaza

 foto HAITHAM IMAD/EPA

Destruição em Gaza

 foto HAITHAM IMAD/EPA

Destruição em Gaza

 foto HAITHAM IMAD/EPA

Destruição em Gaza

 foto HAITHAM IMAD/EPA

Destruição em Gaza

 foto HAITHAM IMAD/EPA

Destruição em Gaza

 foto HAITHAM IMAD/EPA

Destruição em Gaza

 foto HAITHAM IMAD/EPA

Destruição em Gaza

 foto HAITHAM IMAD/EPA

Destruição em Gaza

 foto HAITHAM IMAD/EPA

Destruição em Gaza

 foto HAITHAM IMAD/EPA

Destruição em Gaza

 foto HAITHAM IMAD/EPA

Destruição em Gaza

 foto SAID KHATIB / AFP

Destruição em Gaza

 foto MAHMUD HAMS / AFP

Destruição em Gaza

 foto MAHMUD HAMS / AFP

Destruição em Gaza

 foto MAHMUD HAMS / AFP

Destruição em Gaza

 foto HAITHAM IMAD/EPA

Destruição em Gaza

 foto HAITHAM IMAD/EPA

Relacionadas