Pandemia

Chá quente e água salgada para tratar a covid-19 na Coreia do Norte

Inês da Silva

Líder norte-coreano, Kim Jong-un

Foto Kcna

A Coreia do Norte está a enfrentar um aumento de casos de covid-19 numa população não vacinada e sem acesso a medicamentos eficazes.

Depois de ter passado enfrentado dois anos de pandemia sem infeções, a Coreia do Norte registou, numa semana, mais de 1,7 milhões de casos positivos de covid-19. Apesar de terem fechado fronteiras, em 2020, para se isolarem do virus, as autoridades locais anunciaram, na passada quinta-feira, o primeiro caso.

Para combater os sintomas dos infetados, os militares foram mobilizados para distribuir medicamentos, embora apenas analgésicos e antibióticos. No jornal do regime de Kim Jong-un recomendaram também tratamentos tradicionais, como chás quentes de gengibre e madressilva, para a dor de garganta ou tosse, de forma a manter a hidratação e aliviar as inflamações. Sugere-se ainda que os infetados gargarejem com água salgada de manhã e à noite.

Os dados que se conhecem apontam para uma progressão diária de infeções superior a 200 mil, embora o regime diga que mais de um milhão já recuperou entretanto. Estima-se que tenham morrido 62 pessoas, até ao momento. De referir que a Coreia do Norte não tem capacidade técnica para realizar testes em larga escala. De acordo com a OMS, desde 2020 foram realizados pouco mais de 64 mil, sendo que na Coreia do Sul foram feitos 172 milhões.

Este surto deve-se à variante ómicron, que é não só a mais contagiosa, mas também a que apresenta um número mais elevado de infeções assintomáticas. Isto significa que muitos casos não serão identificados e muitos indivíduos continuarão a propagar o vírus sem saberem.

Os governos da China e da Coreia do Sul já ofereceram propostas de ajuda, mas Kim Jong-un ainda não respondeu a nenhuma das ofertas. Já foram feitas tentativas de comunicar com o governo da Coreia do Norte, por parte de governantes sul-coreanos, para enviar material médico, vacinas, máscaras, kits de testes e até cooperação técnica, mas ainda não obtiveram respostas.

Relacionadas