Pontos-chave

"É tudo". A rendição de Mariupol ao 86.º dia de conflito

Mariana Albuquerque

Kiev deu ordem aos últimos soldados na Azovstal para pararem de combater

Foto Dr

Os últimos soldados que resistiam na fábrica Azovstal, em Mariupol, receberam ordens de Kiev para deixarem de defender a cidade. Dia marcado por novas retaliações russas: o corte no envio de cereais para o Ocidente e de gás à Finlândia.

- O primeiro-ministro, António Costa, visitou esta sexta-feira um centro de acolhimento e encaminhamento de refugiados da Ucrânia instalado no Estádio Nacional de Varsóvia, após ter uma reunião de trabalho com o seu homólogo polaco, Mateusz Morawiecki.

- O ex-presidente russo Dmitri Medvedev declarou hoje que a Rússia vai cortar a exportação de cereais para proteção do próprio mercado, afirmando que a "potencial" crise alimentar a nível global é provocada pelas "sanções ocidentais". "Os países importadores do nosso trigo e outros alimentos vão ficar muito mal sem os abastecimentos da Rússia. Nos campos europeus, sem os nossos fertilizantes vai crescer apenas erva daninha. Temos pena. Eles é que têm a culpa", escreveu.

- A Rússia anunciou ainda a suspensão do fornecimento de gás à Finlândia a partir deste sábado. O corte surge depois de a finlandesa Gasum ter recusado pagar à Gazprom em rublos, tal como o Kremlin tinha exigido.

- As forças russas estão a intensificar os ataques contra a região do Donbass, com "bombardeamentos brutais e completamente sem sentido" na cidade de Severodonetsk, lamentou o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky.

- António Costa anunciou esta sexta-feira que Portugal vai dar apoio material às autoridades polacas para o acolhimento de refugiados ucranianos num valor até 50 milhões de euros, desde casas pré-fabricadas até produtos farmacêuticos.

- As autoridades já registaram na Ucrânia a ocorrência de 18.477 crimes decorrentes da invasão russa no país, avançou a Procuradoria-Geral da República ucraniana.

- A Rússia vai criar 12 bases militares na sua fronteira ocidental até ao final do ano para responder ao reforço da NATO, anunciou o ministro da Defesa. "Os nossos vizinhos mais próximos, a Finlândia e a Suécia, solicitaram a adesão à NATO. Portanto, a tensão continua a crescer na área de responsabilidade do distrito militar ocidental", afirmou Sergei Shoigu.

- Os últimos soldados ucranianos entrincheirados na fábrica siderúrgica Azovstal, em Mariupol, no sudeste da Ucrânia, receberam ordens de Kiev para "deixar de defender a cidade". "O alto comando militar deu a ordem para salvar a vida dos soldados da nossa guarnição, parando de defender a cidade", disse Denys Prokopenko, comandante do regimento Azov, uma das unidades ucranianas presentes na siderúrgica.

- As tropas russas dispararam contra uma escola em Severodonetsk, na região de Lugansk, no leste ucraniano, onde estavam escondidas mais de 200 pessoas, muitas delas crianças. A informação foi avançada pelo chefe administrativo da região, Serhiy Haidai, citado pela BBC.

- No terceiro dia do primeiro julgamento de um soldado russo julgado por crimes de guerra na Ucrânia, Vadim Shysimarin, de 21 anos, afirmou que não queria matar Oleksandr Shelipov, de 62 anos. "Sinto muito. Não queria que isto tivesse acontecido. Não queria ter estado lá, mas aconteceu. Quero pedir desculpa mais uma vez. Aceitarei a condenação que me for atribuída", afirmou.

- A Itália propôs às Nações Unidas a formação de um "grupo de facilitação internacional" para tentar conseguir um cessar-fogo "passo a passo" na Ucrânia, anunciou esta sexta-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros italiano.

- Volodymyr Zelensky afirmou que um centro cultural recém-reconstruído em Lozova, no leste do país, foi destruído num ataque de mísseis russos que feriu sete pessoas, entre elas uma criança.

Relacionadas