Rússia

Encontrado vivo médico desaparecido que tratou Navalny após envenenamento

A Polícia cobriu com tinta amarela um mural dedicado a Alexei Navalny, em São Petersburgo

Foto Olga Maltseva / Afp

A polícia russa disse que foi encontrado vivo o desaparecido ministro da Saúde da região siberiana de Omsk, Alexander Murachovsky, ex-chefe do hospital que tratou o opositor Alexei Navalny após ser envenenado em agosto de 2020.

O governo regional disse a media locais que Murachovsky, após ter estado desaparecido durante três dias, apareceu na pequena aldeia de Basli, onde pediu ajuda aos habitantes, segundo a agência noticiosa espanhola EFE.

 foto Olga MALTSEVA/AFP

 foto ANATOLY MALTSEV/EPA

 foto ANATOLY MALTSEV/EPA

 foto ANATOLY MALTSEV/EPA

 foto ANATOLY MALTSEV/EPA

 foto ANATOLY MALTSEV/EPA

 foto ANATOLY MALTSEV/EPA

 foto ANATOLY MALTSEV/EPA

 foto ANATOLY MALTSEV/EPA

 foto ANATOLY MALTSEV/EPA

 foto ANATOLY MALTSEV/EPA

 foto Olga MALTSEVA/AFP

 foto Olga MALTSEVA/AFP

 foto Olga MALTSEVA/AFP

 foto Olga MALTSEVA/AFP

As autoridades russas indicaram que o médico se encontra bem de saúde e que não quis ser hospitalizado.

Murachovsky foi encontrado a 15 quilómetros de onde as equipas de resgate encontraram a moto 4 que o médico tinha abandonado após uma avaria, quando se dirigia a uma reserva de caça.

O médico desapareceu a 7 de maio, mas a situação só foi dada a conhecer às autoridades no dia seguinte, após os seus companheiros de caça não terem conseguido encontrá-lo.

Segundo a EFE, o desaparecimento despertou a atenção, já que dois dos médicos do Hospital de Emergência n.º 1 de Omsk, onde foi internado Navalny, morreram nos últimos meses em circunstâncias estranhas.

Murachovsky, que foi promovido a ministro regional de Saúde em novembro, foi um dos médicos que garantiu que o opositor do Kremlin não tinha sido envenenado e que dificultou a sua transferência para um hospital em Berlim.

Um laboratório especializado da Alemanha encontrou posteriormente indícios claros de que Navalny tinha sido envenenado com um agente neurotóxico do grupo Novichok, de fabrico russo.

A conclusão foi confirmada por outros laboratórios em França e na Suécia e pela Organização para a Proibição de Armas Químicas.

Relacionadas