EUA

Identificado homem que esfaqueou Salman Rushdie

JN/Agências

Escritor foi levado para o hospital de helicóptero

Foto @horatiogates3/epa

O agressor do escritor britânico Salman Rushdie é um homem de 24 anos chamado Hadi Matar, que ainda está sob custódia, indicou, esta sexta-feira, a polícia do estado norte-americano de Nova Iorque.

Numa conferência de imprensa, pelas 17 horas locais (22 horas em Portugal continental), para apresentar detalhes do ataque, a polícia afirmou não ter ainda informações sobre o motivo da agressão.

O agressor é um jovem morador de Fairview, no estado vizinho de Nova Jérsia, disse o porta-voz da polícia, que prestou declarações em Jamestown, cidade localizada no estado de Nova Iorque, onde Hadi Matar está detido.

O porta-voz da polícia acrescentou que Hadi Matar deu a Rushdie pelo menos uma facada no pescoço e outra no abdómen, e que o escritor "ainda está na sala de cirurgia" num hospital em Erie, na Pensilvânia, mas o seu estado de saúde é desconhecido.

Os ferimentos do escritor podem ser graves, a julgar pelas várias horas que passou na sala de cirurgia desde que foi transferido de helicóptero desde Chautauqua.

O porta-voz da Polícia disse ainda que Rushdie foi inicialmente tratado por um médico que estava presente no público da conferência. O profissional de saúde tratou igualmente o outro orador, Henry Reese, que foi também agredido e que sofreu ferimentos no rosto, mas já recebeu alta.

Rushdie foi atacado quando estava a iniciar uma palestra em Chautauqua, Nova Iorque, "por volta das 11 horas [locais, 16 horas Portugal continental]", indicou a polícia, acrescentado que o suspeito foi detido.

"Um suspeito subiu ao palco e atacou Rushdie e um apresentador. Rushdie sofreu uma aparente facada no pescoço, e foi transportado de helicóptero para um hospital local. O seu estado [de saúde] ainda não é conhecido", lê-se numa mensagem publicada pela polícia de Nova Iorque logo após o ataque, no seu 'site'.

Salman Rushdie é o autor de "Os Versículos Satânicos", obra pela qual foi condenado à morte pelo Irão do líder religioso Ayatollah Khomeini, que emitiu uma 'fatwa' (decreto da lei islâmica) contra o escritor, distinguido com o prémio Booker.

O escritor chegou a viver em paradeiro desconhecido, sob segurança.

O Irão ofereceu então uma recompensa de três milhões de dólares a qualquer pessoa que assassinasse Rushdie.

O Governo do Irão há muito que se distanciou do decreto de Khomeini, mas o sentimento anti-Rushdie permanece.

Em 2012, uma fundação religiosa iraniana aumentou a recompensa pelo assassinato de Rushdie para 3,3 milhões de dólares.

Rushdie desvalorizou a ameaça na altura, dizendo que não havia "nenhuma prova" de que houvesse alguém interessado na recompensa.

Nesse ano, o escritor publicou o livro de memórias "Joseph Anton - Uma Memória", sobre a 'fatwa'.

Autor de cerca de duas dezenas de títulos, Rushdie recebeu o prémio Booker em 1981 por "Os Filhos da Meia-Noite", também distinguido com o Booker of Bookers, em 1993, e, em 2008, o Best of the Booker.

"O Último Suspiro do Mouro" valeu-lhe o prémio Withbread, em 1995, e o Prémio Literatura da União Europeia, em 1996.

Salman Rushdie fixou-se na cidade de Nova Iorque, há cerca de 20 anos, e hoje tinha prevista uma intervenção na Instituição Chautauqua, um centro cultural situado no Oeste do estado de Nova Iorque.

Salman Rushdie é publicado em Portugal pela Dom Quixote.

Relacionadas