Índia

Macacos atacam turistas no Taj Mahal

JN

Foto Reuters/saumya Khandelwal

As autoridades indianas recomendaram aos turistas para se manterem afastados de macacos, depois de um grupo de primatas ter provocado ferimentos ligeiros em dois turistas franceses em visita ao monumento Taj Mahal.

Os turistas apresentaram arranhões e mordidelas depois de serem perseguidos e agredidos por macacos, enquanto tiravam fotos no complexo do Taj Mahal.

De acordo com a polícia, os turistas "tiravam 'selfies' diante do Taj Mahal quando um grupo de macacos os atacou", disse à agência France-Presse o oficial de polícia R. V. Panday, acrescentando que as vítimas foram socorridas no local.

Grupos de macacos invadem o complexo do Taj Mahal e os responsáveis pelo mais famoso monumento da Índia lutam diariamente para afastá-los dos turistas, a quem pedem que evitem os animais e não lhes deem alimentos.

Os macacos representam uma ameaça em muitas cidades indianas, porque podem saquear espaços, como escritório e jardins, além de atacar pessoas para roubar comida.

Segundo os defensores da vida animal, estes problemas ocorrem por causa da redução dos habitats naturais devido à progressão das zonas urbanas.

No ano passado, um turista foi ferido ao tentar recuperar um saco que tinha sido roubado por um primata no Taj Mahal.

A Índia tem cerca de 50 milhões de macacos, dos quais 10.000 em Agra, cidade que tem um icónico mausoléu mongol.

De acordo com os números oficiais, os macacos morderam 1.900 pessoas na capital indiana, Nova Deli, em 2016.