Estudo

Pessoas infetadas e vacinadas adquirem "super imunidade" à covid-19

JN/Agências

Os investigadores esperam que as respostas imunes híbridas sejam semelhantes com a variante ómicron

Foto Epa

As pessoas com infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2 e que estão vacinadas adquirem uma "super imunidade" que é muito superior à proteção imunológica de quem apenas recebeu a vacina, sugere um estudo divulgado esta segunda-feira.

"A resposta imunitária medida no soro sanguíneo revelou anticorpos mais abundantes e mais eficazes do que a imunidade gerada apenas pela vacinação", indicam as conclusões da investigação da Oregon Health & Science University (OHSU), dos EUA, publicadas esta segunda-feira na revista "Science Immunology".

O estudo foi realizado antes do surgimento da variante ómicron do SARS-CoV-2, mas os investigadores esperam que as respostas imunes híbridas sejam semelhantes com a nova variante considerada altamente transmissível.

"Não faz diferença se uma pessoa é infetada e depois vacinada ou se é vacinada e depois infetada. Nos dois casos, obterá uma resposta imunológica muito robusta - incrivelmente alta", assegurou Fikadu Tafesse, coautor do estudo e professor de microbiologia molecular e imunologia na OHSU, citado num comunicado da universidade.

A pesquisa envolveu um total de 104 pessoas vacinadas contra a covid-19 e divididas por três grupos: 42 vacinados sem infeção, 31 vacinados após uma infeção e outros 31 que ficaram infetados depois da vacinação. Com os participantes no estudo controlados por idade, sexo e tempo de vacinação e infeção, os investigadores recolheram amostras de sangue de cada participante que foram expostas a três variantes do vírus SARS-CoV-2 vivo em ambiente de laboratório.

Os especialistas do OHSU chegaram à conclusão de que os dois grupos com "imunidade híbrida" - infetados e vacinados - geraram maiores níveis de imunidade em comparação com o grupo que foi vacinado sem infeção. "É expectável que, neste momento, muitas pessoas vacinadas acabem infetadas e, portanto, com uma forma de imunidade híbrida", avançou Bill Messer professor de imunologia e de doenças infecciosas na OHSU, também citado no comunicado.

Para Marcel Curlin, especialista de infecciologia na instituição norte-americana, a imunidade conferida pela infeção natural "é variável" de pessoa para pessoa, mas, quando combinada com a vacinação, "quase sempre fornece respostas muito fortes". "Esses resultados apontam para um momento em que o SARS-CoV-2 pode tornar-se uma infeção endémica leve, como uma infeção sazonal do trato respiratório, em vez de uma pandemia", salientou Marcel Curlin.