Espanha

Portugueses suspeitos de violar duas jovens em Gijón dizem que sexo foi consentido

César Castro

Portugueses foram detidos num apartamento turístico no número 16 da rua Pedro Duro, em Gijón

Foto Google Maps

Os quatro portugueses detidos no sábado por suspeita de abuso sexual numa pensão de Gijón, em Espanha, disseram este domingo em tribunal que as relações sexuais com as duas jovens espanholas, de 22 e 23 anos, foram consentidas.

De acordo com informações do jornal local "El Comercio", os jovens, com idades entre os 20 e os 30 anos, alegaram estar inocentes e afirmaram que não usaram da força ou violência para subjugar as duas mulheres.

O interrogatório aos detidos estava previsto para esta segunda-feira, mas já este domingo foram presentes a uma juíza, onde foram ouvidos durante cerca de três horas na presença de um advogado e de um intérprete.

Depois de ouvida a versão dos jovens, o tribunal de instrução criminal de Gijón decidiu prolongar a detenção provisória dos suspeitos enquanto aguarda a disponibilização de toda a documentação relativa ao caso, nomeadamente relatórios clínicos e indicação das lesões sofridas, mas também os depoimentos das vítimas.

Os detidos, que teriam chegado a Gijón poucas horas antes da alegada violação para passar umas férias, terão que se apresentar novamente esta segunda-feira em tribunal para serem identificados pelas vítimas, mas não vão precisar de prestar declarações.

As duas mulheres, uma delas de Gijón e outra de Bergara, denunciaram a agressão sexual à polícia às 6.30 horas de sábado. Explicaram que tinham conhecido um homem num bar (com quem combinaram encontro através das redes sociais) e que se deslocaram com ele para a pensão onde este estava hospedado para um encontro sexual.

Segundo o relato das vítimas, no caminho juntou-se um outro homem e, ao chegarem à pensão, depararam-se com outros dois portugueses que, alegadamente, as obrigaram a manter relações sexuais em grupo.

Na sequência da denúncia, as vítimas foram transferidas para o hospital de Gijón, em Cabueñes, para serem submetidas a exames médicos.

As investigações da polícia centraram-se primeiro no número 19 da rua El Carmen, numa pensão. Posteriormente, mudaram-se para um alojamento turístico localizado no segundo andar da rua Pedro Duro, número 16, onde foram detidos os quatro implicados.

"Chega de manadas!"

Vários coletivos convocaram para esta segunda-feira à tarde uma manifestação de protesto e indignação, em frente à Câmara Municipal de Gijón, mas também em Bergara, onde reside uma das vítimas.

O presidente do Principado das Astúrias, Adrián Barbón, manifestou no sábado a sua "condenação total e absoluta" pela "violação múltipla em Gijón" de duas mulheres de 22 e 23 anos.

"O machismo ataca e mata, é um atentado à liberdade das mulheres. A minha condenação total e absoluta pela violação múltipla em Gijón, com quatro jovens detidos por abusar sexualmente de duas raparigas. Astúrias tem que levantar a sua voz perante esta violação. Não podemos ficar calados", escreveu Barbón nas redes sociais.

Relacionadas