Pandemia

Riqueza dos multimilionários aumentou mais nos últimos dois anos do que em 23 anos

António José Gouveia

Gabriela Bucher, diretora executiva da Oxfam, divulgou hoje o relatório em Davos, na Suíça

Foto Fabrice Coffrini / Afp

Os ricos estão cada vez mais ricos, segundo um relatório da Oxfam apresentado esta terça-feira em Davos, na Suíça, e a pandemia de covid-19 ajudou, e muito, para que isso acontecesse.

A riqueza dos multimilionários aumentou mais nos últimos dois anos de pandemia de covid-19 do que em 23 anos juntos, denuncia um relatório da organização não-governamental Oxfam, apresentado esta terça-feira no Fórum Económico de Davos, na Suíça. Perante estes números, a riqueza total dos multimilionários no Mundo é agora equivalente a 13,9% do produto interno global, sendo que triplicou quando comparado com o ano 2000.

O documento revela também que os mais ricos nos setores alimentar e de energia estão a aumentar as suas fortunas em 932 milhões de euros a cada dois dias, uma situação provocada pela guerra na Ucrânia e também pela crise pandémica. Aliás, a Oxfam indica que "para cada novo multimilionário criado durante a pandemia - um a cada 30 horas - quase um milhão de pessoas podem ser empurradas para a pobreza extrema já este ano".

"Os mais ricos chegam a Davos para celebrar um incrível aumento das suas fortunas", refere Gabriela Bucher, diretora executiva da Oxfam International, acrescentando que "a pandemia e agora os aumentos acentuados nos preços dos alimentos e da energia foram, simplesmente, uma bonança para os multimilionários".

O relatório mostra que 573 pessoas se tornaram novos bilionários durante a pandemia e Gabriela Bucher explica que as suas fortunas não aumentaram porque "são mais inteligentes ou trabalham mais. Os mais ricos manipularam o sistema impunemente durante décadas e agora estão a colher os benefícios. Enquanto isso, milhões de outras pessoas passam refeições, desligam o aquecimento, atrasam as contas e perguntam o que podem fazer para sobreviver. Essa é a desigualdade que literalmente mata".

Perante estes dados, a Oxfam recomenda que os governos adotem, com urgência, a introdução de impostos de solidariedade únicos sobre os lucros inesperados da pandemia, acabem com a especulação em vários setores, e criem impostos sobre a riqueza permanentes para conter a riqueza extrema e o poder de monopólio.

Relacionadas