"Bronzes de Benim"

Universidade de Cambridge devolve à Nigéria galo de bronze roubado no século XIX

Galo de bronze foi roubado no século XIX e pertence à coleção "bronzes de Benim"

Foto Chris Loades / Universidade De Cambridge / Afp

A Universidade de Cambridge entregou, esta quarta-feira, às autoridades nigerianas um galo de bronze roubado no século XIX, peça que pertence aos "bronzes de Benim", uma coleção que contém peças comemorativas dos palácios do reino no atual território nigeriano.

O Jesus College da Universidade de Cambridge é a primeira instituição do Reino Unido a devolver um dos artefactos desta coleção.

O colégio tinha anunciado em 2019 que iria devolver a estátua Okukor, retirada do Tribunal de Benim pelas forças coloniais britânicas em 1897 e dada à instituição em 1905.

A universidade retirou o galo em bronze da vista pública em 2016, após protestos estudantis que afirmavam que a estátua representava a época colonial.

O colégio criou um grupo de trabalho para estudar o assunto e concluiu que a estátua "pertence ao atual Oba [rei de Benim] no tribunal" do país.

O rei de Benim, Omo N'Oba N'Edo Uku Akpolokpolo, da dinastia Ewuare II, disse estar "de facto muito satisfeito" e elogiou a instituição por ter assumido este papel de liderança na devolução dos artefactos.

"Esperamos verdadeiramente que outros acelerem a devolução das nossas obras de arte, que em muitos casos são de importância religiosa para nós", sublinhou o monarca de Benim.

Milhares de artefactos foram saqueados depois de as tropas britânicas terem ocupado a cidade de Benim em 1897.

Centenas de peças desta coleção acabaram no Museu Britânico em Londres, e outras centenas foram vendidas a outras coleções, tais como o Museu Etnológico em Berlim. A Alemanha disse que devolveria os artigos na sua posse.

Tem surgido um esforço, nas antigas potências coloniais, para a devolução da arte africana roubada durante o período colonial.

O Museu Britânico declarou na segunda-feira que está a trabalhar numa colaboração com a Nigéria para a construção de um novo museu no país da África Ocidental, o que permitirá "reunir obras de arte do Benim".

O Museu Britânico está também, há décadas, em disputa com o Governo grego devido a ter em sua posse os Mármores de Elgin (também conhecidos como Mármores do Partenon, uma grande coleção de esculturas em mármore levadas da Grécia para a Grã-Bretanha em 1806).

França entrega 26 obras

Entretanto, também a França vai entregar no próximo mês 26 artefactos da era colonial ao Governo do Benim - algumas das cerca de 90 mil obras de arte africanas em museus franceses.

As estátuas antropomórficas de madeira, tronos reais e altares sagrados da coleção conhecida como "Abomey Treasures" foram pilhadas pelo exército francês há 129 anos, e estão atualmente em exposição em Paris. O presidente francês, Emmanuel Macron, visita hoje a exposição com as autoridades beninenses. Macron apelou a mais devoluções deste tipo.

De forma a assinalar este regresso, o museu parisiense promove uma semana de debates à volta destas obras. Daqui a duas semanas, o presidente do Benim, Patrice Talon, desloca-se a Paris para assinar oficialmente a transmissão das obras e levá-las para o seu país

"Pelo impacto desta decisão, a França e o Benim dão ao mundo um modelo de cooperação do património que se quer exemplar", disse Aurélien Agbenonci, ministro dod Negócios Estrangeiros do Benim, presente em Paris.