O Jogo ao Vivo

EUA

Governador de Nova Iorque demite-se após acusações de assédio sexual

Governador de Nova Iorque demite-se após acusações de assédio sexual

O governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, anunciou a sua demissão esta terça-feira, depois de 11 mulheres o terem acusado de assédio sexual.

"Acho que, dadas as circunstâncias, a melhor forma de ajudar agora é afastar-me", disse Cuomo. "A minha renúncia terá efeito dentro de 14 dias".

Ao anunciar a decisão, feita numa conferência de imprensa, Cuomo disse assumir "toda a responsabilidade" pelas ações cometidas.

Cuomo argumentou que houve "mudanças geracionais ou culturais" que não conseguiu entender, reconheceu que a "polémica política" como a que está a passar consumirá "tempo e dinheiro que deveria ser usado no combate à covid-19" e que optou por "dar um passo para o lado" após dias de críticas.

Cuomo está divorciado desde 2005 da autora e ativista Kerry Kennedy, membro da família Kennedy e com quem tem três filhas adultas, e esteve envolvido numa relação até 2019 com Sandra Lee, uma popular personalidade do "Lifestyle" de um canal de televisão norte-americano.

No discurso em que apresentou a demissão, acabou por dedicar parte da intervenção às filhas. "Quero que saibam, do fundo do meu coração: nunca desrespeitei e nunca desrespeitaria intencionalmente uma mulher ou trataria uma mulher de maneira diferente do que gostaria que fosse tratada. O vosso pai cometeu erros e apresentou as desculpas. E aprendeu com isso. E é disso de que se trata a vida", disse Cuomo.

Acusado por 11 mulheres

PUB

Um inquérito independente acusou Cuomo de instituir uma cultura de medo no interior da sua administração. "O inquérito independente concluiu que o governador Andrew Cuomo assediou sexualmente várias mulheres e, ao fazê-lo, violou a lei federal e a do estado", afirmou em conferência de imprensa a procuradora do estado de Nova Iorque, Letitia James, acrescentando que entre as vítimas se incluem "antigas e atuais" funcionárias do estado.

O relatório de 169 páginas, concluído após cinco meses de investigação com "entrevistas a 179 pessoas e a obtenção de 74 mil provas", inclui 11 denunciantes cujas alegações são descritas com grande detalhe, com todas a considerarem "perturbador, humilhante incómodo e inapropriado" o comportamento do visado.

Os investigadores indicaram que Cuomo submeteu as mulheres a beijos indesejados, apalpou seios ou nádegas ou tocou-lhes de forma inadequada, fez comentários insinuantes sobre a aparência delas e sobre a sua vida sexual.

Andrew Cuomo, que pertence ao partido Democrata, negou as acusações de que é alvo, insistindo que "os factos são muito diferentes do que aquilo que foi retratado". "Quero que saibam diretamente por mim que nunca toquei ninguém de uma forma inadequada nem fiz insinuações sexuais inadequadas", afirmou.

Político com larga experiência, destacou-se durante a pandemia de covid-19, com muitos a reconhecerem a sua competência e habilidade para gerir a situação quando Nova Iorque e a sua região se tornaram o epicentro da crise, na primavera de 2020.

A vice-governadora Kathy Hochul, uma democrata de 62 anos e ex-membro do Congresso de Buffalo, irá tornar-se a 57.ª governadora do Estado e a primeira mulher a ocupar o cargo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG