Dia 82

Mais de 260 soldados ucranianos retirados da fábrica Azovstal

Augusto CorreiaMariana AlbuquerqueSofia Esteves TeixeiraMaria Campos

 foto AFP

Zelensky diz que ofensiva russa está "num beco sem saída"|

 foto SERGEY BOBOK / AFP

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, considera que a invasão russa está "num beco sem saída" e diz que as forças ucranianas estão prontas para repelir nova ofensiva na região do Donbass. À semelhança da Finlândia, a Suécia anunciou esta segunda-feira a candidatura à NATO. "Estamos a sair de uma era e a entrar numa nova", afirmou a chefe de Governo, Magdalena Andersson. A Rússia anunciou, entretanto, um cessar-fogo na Azovstal, em Mariupol, para a retirada dos soldados feridos.

O passo em frente da Suécia e o adeus do McDonald's à Rússia

É oficial: à semelhança da Finlândia, a Suécia decidiu apresentar o pedido de adesão à NATO. O presidente da Turquia, Erdogan, já reagiu, garantindo que vetará a expansão da aliança se os dois países mantiverem a política de "acolhimento de guerrilheiros curdos". Dia também marcado pela decisão do grupo McDonald's de abandonar o mercado russo após três décadas de atividade. Ao final do dia, Borrell, chefe da diplomacia da UE, anunciou que ainda não há acordo europeu para o sexto pacote de sanções ao Kremlin.

Recorde os pontos-chave do 82.º dia de conflito AQUI

Mísseis russos atingem base militar no oeste da Ucrânia

Uma base militar ucraniana a cerca de 15 quilómetros da fronteira com a Polónia foi alvo de um ataque com mísseis russos, de acordo com informações de Maksym Kozytsky, chefe da administração militar regional de Lviv.

Uma série de explosões foi ouvida no centro de Lviv por volta das 0.45 horas, hora local (22.45 horas em Portugal continental), logo após as sirenes de ataque aéreo terem soado na cidade.

Trigo atinge cotação recorde depois de Índia embargar exportações

A cotação do trigo fechou na segunda-feira em níveis inéditos no mercado europeu, depois de a Índia anunciar um embargo sobre as suas exportações deste cereal.

A cotação do trigo atingiu os 438,25 euros por tonelada no fecho da sessão, um novo recorde para este cereal que já se transacionava a níveis elevados, no seguimento da invasão russa da Ucrânia.

"É um recorde absoluto na Euronext. O recorde anterior era de 07 de março último, de 422,50 dólares por tonelada no fecho", declarou o corretor Damien Vercambre, da Inter-Courtage, à AFP.

EUA elogiam "liderança" da Grécia desde o início da invasão russa

O Presidente dos EUA, Joe Biden, elogiou esta segunda-feira a Grécia pela "liderança moral" desde o início da invasão russa da Ucrânia, durante um encontro, em Washington, com o primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis.

A visita o chefe do governo grego aos EUA tem como objetivo a comemoração, adiada anteriormente devido à pandemia de covid-19, do bicentenário do início da guerra da independência grega, uma luta de mais de oito anos que levou à queda do Império Otomano. Joe Biden e a primeira-dama, Jill Biden, receberam Mitsotakis e a sua mulher, Mareva Grabowski-Mitsotakis, na Casa Branca, embora a celebração daquela efeméride tenha sido agora 'ensombrada' pela guerra na Ucrânia.

Biden elogiou a Grécia por mostrar "clareza moral" ao impor de imediato sanções contra a Rússia desde o início da invasão da Ucrânia, fornecer assistência militar a Kiev e acolher refugiados ucranianos que fogem do conflito. "Estamos a enfrentar unidos o desafio da agressão russa", lembrou, por sua vez, Mitsotakis no início da reunião na Sala Oval com Biden, salientando que o relacionamento entre os dois países está "no auge de todos os tempos".

Defensores de Mariupol são "heróis do nosso tempo"

O estado-maior do exército ucraniano disse que os combatentes retirados da siderúrgica Azovstal em Mariupol são "heróis do nosso tempo".

Numa publicação no Facebook, chefes do Exército disseram que a determinação das tropas ucranianas forçou a Rússia a manter cerca de 20 mil soldados entrincheirados ao redor da cidade e "impediu a implementação do plano para a captura rápida de Zaporíjia".

"Forjar as forças centrais do inimigo em torno de Mariupol deu-nos a oportunidade de preparar e criar as fronteiras defensivas nas quais as nossas tropas ainda estão presentes hoje e dar um contraponto decente ao agressor", lê-se.​​​​​​​ "Conseguimos o tempo extremamente necessário para construir reservas, reagrupar forças e obter ajuda de parceiros".

​​​​​​​

Explosões em Lviv

Uma série de explosões foi ouvida no centro de Lviv por volta das 0.45 horas (22.45 em Portugal continental) logo após as sirenes de ataque aéreo terem soado na cidade.

Soldados de Mariupol trocados por prisioneiros russos

A vice-ministra da Defesa ucraniana, Hanna Malyar, disse que os 264 combatentes ucranianos feridos resgatados da siderúrgica Azovstal foram trocadas por soldados russos capturados.

Ucrânia confirma retirada de 264 soldados de Azovstal

O Ministério da Defesa da Ucrânia confirmou que está em andamento uma operação para retirar os combatentes da siderúrgica Azovstal.

A vice-ministra da Defesa, Hanna Malyar, disse que 53 combatentes gravemente feridos foram levados para a cidade de Novoazovsk, controlada por rebeldes apoiados pela Rússia. Outros 211 foram retirados por um corredor humanitário para Olenivka, outro local controlado pelos rebeldes.

Tribunal de Moscovo multa Radio Liberty por emitir conteúdos proibidos

Um tribunal de Moscovo multou a emissora norte-americana Radio Liberty em 18 milhões de rublos (266 901 euros) pela sua recusa em eliminar conteúdos proibidos na Federação Russa.

O serviço de imprensa do tribunal Tverskói, citado pela Interfax, especificou que o media norte-americano foi considerado culpado de 18 acusações.

A Federação Russa qualifica como informação proibida a incitação de menores ao suicídio, a pornografia infantil e o consumo de drogas, bem como os apelos à participação em manifestações públicas não autorizadas pelas autorizadas e, mais recentemente, a publicação de "notícias falsas" sobre a invasão russa da Ucrânia.

EUA asseguram: NATO não representa ameaça contra ninguém

Os EUA asseguraram que a NATO é aliança de defesa que "não representa uma ameaça para nenhuma nação, incluindo a Rússia", enquanto o Reino Unido defendeu a entrada "o mais depressa possível" da Suécia e Finlândia na organização.

O porta-voz do Departamento de Defesa dos EUA (Pentágono), John Kirby, sublinhou, em conferência de imprensa, que nem o Presidente russo, Vladimir Putin, nem qualquer outra nação [fora da Aliança Atlântica] pode vetar a adesão de um país à NATO.

"Esse assunto deve ser decidido por essa nação e aos outros membros da NATO", referiu Kirby, lembrando que o processo de adesão a esta aliança tem várias etapas e que, por isso, leva tempo.

Bulgária solicita escusa do embargo europeu ao petróleo russo

O governo búlgaro confirmou que solicitou à Comissão Europeia a sua exclusão do planeado embargo à compra do petróleo russo, porque a sua única refinaria só pode processar este tipo de crude.

Esta posição foi expressa pelo primeiro-ministro búlgaro, Kiril Petkov, durante uma conferência de imprensa conjunta, em Sofia, com o seu homólogo holandês, Mark Rutte.

O chefe do governo búlgaro afirmou que o seu país é um dos que mais resistiu mais pressões russas em relação ao pagamento do gás com rublos, o que contribuiu para reduzir o fluxo de dinheiro para Moscovo. "Esperemos que haja compreensão da Comissão Europeia, do que temos indícios, uma vez que não podemos passar de 95% de dependência do gás para zero e, ao mesmo tempo, colocar um embargo sobre a nossa única refinaria, que só funciona com crude de tipo Ural", disse.

Autarca apela: Não voltem a Kiev

O autarca de Kiev, Vitali Klitschko, ainda está a aconselhar os moradores que fugiram para um local mais seguro a ficarem lá em vez de regressarem à capital da Ucrânia. "Não podemos garantir 100% de segurança para todos", disse.

A cidade está "lentamente a voltar à vida", com a reabertura de cafés e bares, mas Klitschko alertou que Kiev continua a ser"um alvo para agressores russos".

Os alertas de ataque aéreo continuam a soar todos os dias e ainda há recolher obrigatório na cidade.

​​​​​​​

Putin pode estar a tomar decisões militares em Donbass

Acredita-se que o presidente russo Putin e o chefe militar, general Valery Gerasimov, estejam a intervir diretamente na ofensiva militar russa na Ucrânia e a tomar decisões normalmente tomadas por oficiais mais subalternos, de acordo com uma fonte militar ocidental.

Falando sob condição de anonimato, a fonte disse à BBC: “Achamos que Putin e Gerasimov estão envolvidos na tomada de decisões táticas num nível que normalmente esperaríamos que fossem tomadas por um coronel".

Kiev terá de investigar mais de 10 mil crimes de guerra

A diretora executiva da Amnistia Internacional (AI) na Ucrânia, Oksana Pokalchuk, revelou hoje à Lusa que as autoridades ucranianas já abriram investigações a mais de 10 mil casos de crimes durante a invasão russa.

De passagem por Lisboa, Pokalchuk mostrou-se preocupada com a real eficácia do sistema judicial ucraniano em lidar com a "enorme quantidade" de violações de direitos humanos por parte das forças russas.

A representante da AI na Ucrânia explicou que, num futuro próximo, as autoridades ucranianas terão de lidar com mais de 10 mil casos de violações, assassínios extrajudiciais e de torturas, executados por tropas russas em territórios provisoriamente ocupados no leste da Ucrânia.

12 autocarros com soldados ucranianos terão saído da Azovstal

Cerca de uma dúzia de autocarros com militares ucranianos que estavam presos na fábrica de aço Azovstal terão deixado a siderurgia, avança a Reuters.

Não se sabe, para já, quantas pessoas terão sido retiradas do último reduto da resistência de Kiev na cidade portuária.

Rússia ameaça Suécia com medidas "técnico-militares"

A Rússia ameaçou a Suécia com medidas "técnico-militares", como fez na semana passada com a Finlândia, se aquele país escandinavo aderir à NATO, conforme anunciado pelo Governo sueco.

Leia mais aqui

82.º dia de conflito

O passo em frente da Suécia e o adeus do McDonald's à Rússia

Foto: Natalia KOLESNIKOVA / AFP

É oficial: à semelhança da Finlândia, a Suécia decidiu apresentar o pedido de adesão à NATO. O presidente da Turquia, Erdogan, já reagiu, garantindo que vetará a expansão da aliança se os dois países mantiverem a política de "acolhimento de guerrilheiros curdos". Dia também marcado pela decisão do grupo McDonald's de abandonar o mercado russo após três décadas de atividade. Ao final do dia, Borrell, chefe da diplomacia da UE, anunciou que ainda não há acordo europeu para o sexto pacote de sanções ao Kremlin.

Leia mais aqui

Aliança pós-soviética oferece cooperação à NATO para reduzir tensão

A pós-soviética Organização do Tratado de Segurança Coletiva (OTSC), que é liderada pela Rússia, propôs-se cooperar com a NATO para diminuir a tensão causada pela crescente militarização da região euroasiática.

"Reconhecendo a sua responsabilidade de garantir uma paz sólida na região euroasiática, sublinhamos a importância de reduzir a tensão no continente e confirmamos a disposição para iniciar uma cooperação prática com a NATO", indica a declaração final da OTSC após uma cimeira no Kremlin ao fim de 20 anos de existência.

A OTSC alerta que as relações internacionais se caracterizam cada vez mais por um "agravamento da tensão" e para a "tendência para a ingerência militar como forma de resolver crises", a "aplicação seletiva dos princípios do direito internacional" e o "uso de sanções unilaterais".

Os ministros das Relações Exteriores da UE não chegaram a um acordo sobre o sexto pacote de sanções contra a Rússia, disse o chefe de política externa da UE, Josep Borrell. "Não concordaram", disse após uma reunião de ministros das Relações Exteriores da UE em Bruxelas.

Por outro lado, a alocação de mais 500 milhões de euros à Ucrânia para a compra de armas, elevando o valor total para doi mils milhões de euros, foi aprovada.

Erdogan vai vetar adesão da Finlândia e Suécia se mantiverem política pró-curda

A Turquia vetará a entrada da Finlândia e da Suécia na NATO se estes países mantiverem a sua política de "acolhimento de guerrilheiros curdos", advertiu o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

"A Suécia é um centro de incubação de organizações terroristas. Acolhe terroristas. No seu parlamento, há deputados que defendem os terroristas. A quem acolhe terroristas não diremos 'sim' quando quiserem juntar-se à NATO", declarou Erdogan.

Na sexta-feira passada, o chefe de Estado turco já tinha avisado que não via com bons olhos a intenção dos dois países nórdicos de ingressar na NATO (Organização do Tratado do Atlântico-Norte), devido à sua atitude de abertura em relação a organizações militantes curdas que Ancara considera ramificações do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), a guerrilha curda da Turquia.

Embargo da Hungria ao petróleo russo é por razões económicas

O chefe de Relações Exteriores da União Europeia (UE), Josep Borrell, disse que a Hungria mantém que o seu bloqueio ao embargo de petróleo contra a Rússia por razões económicas e não políticas.

"A discussão continuará para ver quando e quantos custos cada Estado-membro terá de arcar. A UE considera inaceitável que os países dos Balcãs mantenham uma posição neutra em relação à Rússia", afirmou.

Dez civis mortos por bombardeamento russo em Severodonetsk

Pelo menos 10 civis foram mortos hoje por bombardeamentos russos na cidade de Severodonetsk, no leste da Ucrânia, disse o governador da região de Lugansk, Serhiy Haidai.

Os bombardeamentos causaram incêndios em áreas residenciais da região, danificando casas e hospitais e atingindo uma fábrica de produção científica.

Turquia censura Suécia e Finlândia por não aprovarem os seus pedidos de extradição

A Turquia criticou a Suécia e a Finlândia por não aprovarem os seus pedidos de extradição de pessoas que acusa de pertenceram a "organizações terroristas", indicou a agência noticiosa estatal Anadolu.

Na sexta-feira, Ancara ameaçou bloquear o processo de alargamento da NATO aos dois países escandinavos, que requer a unanimidade dos membros da Aliança.

A Anadolu, ao citar fontes do Ministério da Justiça turco, referiu que nos últimos cinco anos nenhum dos 33 pedidos de extradição enviados por Ancara recebeu resposta positiva por parte de Estocolmo ou de Helsínquia.

Kiev diz que UE está a pagar "a dobrar" e pede veto à energia russa

O ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano pediu, esta segunda-feira, à União Europeia que vete as importações de petróleo e gás russos e criticou-a por "pagar a dobrar", comprando energia a Moscovo e financiando o envio de armas a Kiev.

"A UE está a pagar a dobrar. Primeiro, apoiando a Ucrânia e, a seguir, pagando à Rússia, e depois tem que voltar a pagar pela destruição do território ucraniano pelas armas russas. Não é assim que deveria acontecer", declarou Dmytro Kuleba à chegada à reunião que os ministros dos Negócios Estrangeiros europeus hoje realizam em Bruxelas.

"Sancionar o gás e o petróleo russos é do interesse da Europa, não só da Ucrânia", assegurou o chefe da diplomacia ucraniana.

Kuleba reúne-se esta segunda-feira com os seus homólogos da UE e com a ministra dos Negócios Estrangeiros do Canadá, Mélanie Joly, que também se deslocou a Bruxelas, para debater os últimos acontecimentos da invasão russa da Ucrânia e o apoio do Ocidente a Kiev.

Zelensky agradece aos soldados ucranianos: “A minha gratidão não tem limites”

O presidente da Ucrânia gravou, esta segunda-feira, uma mensagem de agradecimento aos soldados ucranianos que conseguiram recuperar um marco fronteiriço com a Rússia na região de Kharkiv.

“Estou-vos muito grato em nome de todos os ucranianos, em nome de todos, em meu nome, em nome da minha família. A minha gratidão não tem limites! Desejo-vos saúde. Cuidem-se. Obrigado a vocês e aos vossos países. Fizeram um ótimo trabalho!”, afirmou.

EPA

Putin acusa Ucrânia de "glorificar" o nazismo

O presidente russo acusou, esta segunda-feira, a Ucrânia de glorificar o nazismo. "Em nenhum lugar, nos países civilizados, há milhares de cortejos neonazis com tochas e com símbolos neonazis incentivados pelas autoridades. Isso não é feito em nenhum lugar”, vincou Putin, apontado o dedo ao Ocidente.

"Ignora este problema na Ucrânia. Além disso, está a demolir barbaramente os monumentos dos heróis que libertaram a Europa. O Ocidente está a tentar reescrever cinicamente a História e a negar as façanhas de todos aqueles que venceram a Segunda Guerra Mundial, estando também a elogiar assassinos e traidores”, afirmou.

EPA

Macron saúda decisão da Suécia de se candidatar à adesão da NATO

O Presidente francês, Emmanuel Macron, congratulou-se, esta segunda-feira, com a decisão da Suécia de pedir a adesão à NATO, anunciada pela primeira-ministra sueca, Magdalena Andersson.

"O Presidente da República apoia plenamente a decisão soberana da Suécia de aderir rapidamente à NATO", disse o gabinete de Macron, citado pela agência francesa AFP.

Macron, cujo país preside ao Conselho da União Europeia, já tinha saudado o anúncio semelhante feito pela Finlândia na quinta-feira.

A Suécia e a Finlândia deverão entregar ainda esta semana a candidatura à adesão à Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), pondo termo a uma política histórica de neutralidade e de não participação em alianças militares.

AFP

Kiev alerta para crescente crise humanitária na região de Kherson

A comissária dos Direitos Humanos da Ucrânia, Lyudmila Denisova, alertou esta segunda-feira para a "crescente crise humanitária" em Kherson, onde permanecem cerca de meio milhão de habitantes e que em duas semanas podem ficar sem medicamentos.

"Os residentes da região não conseguem ir até ao território controlado pela Ucrânia e a mobilidade pela região está praticamente restringida. Os ocupantes não permitem a entrada de voluntários com ajuda humanitária e saqueiam os carregamentos de bens doados", denunciou a comissária na rede social Telegram.

De acordo com o presidente da câmara de Kherson, Igor Kolyjaev, a cidade "ficará sem medicamentos em duas semanas, não havendo mais soluções para linhas intravenosas, medicamentos para doenças cardiovasculares ou oxigénio suficiente".

Cazaquistão propõe que aliança militar liderada pela Rússia atue com ONU

O Presidente do Cazaquistão, Kasim Yomart-Tokáyev, propôs, esta segunda-feira, envolver a Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO), aliança militar pós-soviética liderada pela Rússia, nas missões de paz das Nações Unidas.

"Foram criados todos os mecanismos necessários e, em nossa opinião, é necessário definir a tarefa de envolver a CSTO nas atividades de manutenção da paz da ONU", defendeu o líder do Cazaquistão, durante a cimeira da organização, realizada em Moscovo.

Yomart-Tokáyev sublinhou que, "no curto e médio prazo, a prioridade indiscutível reside no desenvolvimento do potencial das forças de paz da CSTO", indicando que "está a ser feito um trabalho ativo nesse sentido".

Exercícios militares programados nos países bálticos começaram hoje

A NATO iniciou, esta segunda-feira, na Estónia, um exercício militar com 15.000 soldados estónios e da Aliança, com o qual abre uma série de manobras na região do Báltico, planeada e agendada antes da invasão russa da Ucrânia.

Os exercícios na Estónia, apelidados de "Siil 2022", visam testar "a prontidão de combate das forças de defesa e a sua capacidade de responder a um cenário de ameaça num quadro internacional", disse o Ministério da Defesa da Estónia em comunicado.

Cerca de 7.100 reservistas, 2.500 recrutas, 2.000 militares ativos e 4.200 soldados aliados de dez países participarão neste exercício, detalhou.

Portugal apoia adesão da Suécia à NATO e conta ser dos mais rápidos a ratificar

Portugal apoia a decisão anunciada esta segunda-feira pela Suécia de se candidatar à NATO e conta estar "entre os mais rápidos" dos 30 países-membros a ratificar a adesão tanto da Suécia como da Finlândia, disso o ministro dos Negócios Estrangeiros.

Leia mais aqui

Cravinho garante não haver na UE "oposição de fundo" a embargo ao petróleo russo

João Gomes Cravinho (Foto: John MACDOUGALL / AFP)

O ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, garantiu esta segunda-feira não existir na União Europeia (UE) uma "oposição de fundo" ao embargo do petróleo russo, apesar de admitir dificuldades relativamente à Hungria, por ser "100% dependente da Rússia".

"O pacote de sanções não esteve em cima da mesa porque já não é um problema político, é um problema técnico. Sabemos que a Hungria, mas também outros países - a Eslováquia, República Checa e a Bulgária - têm algumas dificuldades, porque têm um grau de dependência muito elevado e têm de encontrar formas alternativas de se abastecerem de petróleo e de gás, [mas] não é uma oposição de fundo em relação à necessidade de sancionarmos a Rússia, incluindo nestes domínios", declarou o chefe da diplomacia portuguesa.

Falando aos jornalistas portugueses em Bruxelas no final de uma reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE, João Gomes Cravinho explicou que "o trabalho que está a ocorrer é essencialmente um trabalho da Comissão Europeia, que procura identificar atualmente mecanismos que ajudem a que a Hungria, em particular, e depois os outros países também tenham o acesso que precisam ao investimento".

Putin diz que alargamento da NATO só é problema com colocação de armas

Foto: EPA/ALEXANDER NEMENOV

O presidente russo, Vladimir Putin, assegurou esta segunda-feira que a adesão à NATO da Finlândia e da Suécia não é um problema para a Rússia, mas que passará a sê-lo se incluir a colocação de armas no território desses países.

Leia mais aqui

Rússia anuncia cessar-fogo para retirar soldados feridos da Azovstal

O Ministério da Defesa da Rússia anunciou esta segunda-feira que foi acordado um cessar-fogo na fábrica de aço Azovstal, em Mariupol, para a retirada dos soldados feridos.

“Um acordo foi alcançado com representantes do exército ucraniano bloqueados em Azovstal, em Mariupol, para retirar os feridos”, afirmou fonte do ministério, citado pela AFP.

Suécia confirma pedido de adesão à NATO

A primeira-ministra sueca, Magdalena Andersson, confirmou esta segunda-feira que a Suécia vai avançar com o pedido de adesão à NATO, terminando, tal como a Finlância, com uma longa história de neutralidade militar.

Portugal atribuiu quase 37 mil proteções temporária e um terço são menores

Portugal atribuiu até hoje quase 37.000 proteções temporária a pessoas que fugiram da guerra na Ucrânia, dos quais um terço foram a menores, segundo a última atualização feita pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Numa nota de balanço, o SEF precisa que, desde o início da guerra a 24 de fevereiro, concedeu 36.944 proteções temporárias a cidadãos ucranianos e a estrangeiros que residiam na Ucrânia, 24.441 dos quais a mulheres e 12.503 homens.

De acordo com o SEF, os municípios com o maior número de proteções temporárias concedidas continuam a ser Lisboa (5.510), Cascais (2.381), Sintra (1.362), Porto (1.286) e Albufeira (1.083).

O SEF indica também que emitiu 33.076 certificados de concessão de autorização de residência ao abrigo do regime de proteção temporária.

Bolsas para cursos de português na Universidade Aberta para ucranianos

Os cidadãos ucranianos fugidos da guerra que pretendam aprender português podem candidatar-se às bolsas lançadas pela Fundação Santander, que vai oferecer cursos "online" de 12 semanas ministrados pela Universidade Aberta.

O curso, apoiado pela Embaixada da Ucrânia em Portugal, terá a duração de 78 horas distribuídas por 12 semanas e decorre totalmente 'online' na plataforma de ensino da Universidade Aberta, contando com o acompanhamento de um docente, segundo informações divulgadas hoje pela Fundação Santander.

Os alunos que não tenham computador, podem usar um dos 18 centros da instituição universitária que disponibilizam salas com terminais, em todo o país, incluindo as regiões autónomas.

McDonald's vai abandonar a Rússia

O grupo McDonald's anunciou, esta segunda-feira, que vai abandonar o mercado russo e que iniciou o processo para vender o negócio no país após 30 anos de atividade, uma medida adotada na sequência da invasão russa da Ucrânia.

"A crise humanitária provocada pela guerra na Ucrânia e o contexto imprevisível para continuar a operar levaram a McDonald's a concluir que o negócio na Rússia já não é sustentável nem consistente com os valores da McDonald's", segundo um comunicado da cadeia de restaurantes publicado nos Estados Unidos.

Separatistas de Donetsk dizem ter retirado mais de 300 cidadãos de Mariupol

Os separatistas pró-russos da autoproclamada república de Donetsk afirmaram hoje que retiraram mais de 300 cidadãos no domingo da cidade ucraniana de Mariupol, para duas cidades controladas pela Rússia.

No total, 314 pessoas foram retiradas desta cidade portuária estratégica no sul da Ucrânia, incluindo 50 crianças, segundo a agência de notícias russa TASS, que cita a defesa territorial da autoproclamada república.

Os cidadãos foram transferidos para as cidades de Bezimenne e Novoazovsk, informaram os separatistas pró-russos.

De acordo com os separatistas, desde 05 de março um total de 32.638 pessoas foram retiradas e levadas para Bezimenne.

Borrell admite dificuldades com Hungria sobre sanções ao petróleo russo

O chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Josep Borrell, reconheceu hoje as dificuldades em garantir o apoio da Hungria à proposta para sancionar o petróleo russo, devido à dependência do país das importações da Rússia.

No âmbito do agravamento das sanções contra a Rússia por ter invadido a Ucrânia, em 24 de fevereiro, a Comissão Europeia propôs um embargo à importação de petróleo russo até ao final do ano, mas a Hungria opõe-se, apesar de a proposta prever um ano suplementar de transição para o país.

"Temos de convencer 27 países. Entre eles, alguns têm mais problemas do que outros. É uma situação objetiva que alguns Estados-membros enfrentam mais dificuldades", admitiu Borrell em Bruxelas, à entrada para uma reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros da UE sobre a situação na Ucrânia.

Vídeo mostra chuva de fogo a cair sobre a siderurgia Azovstal

Um vídeo divulgado pelas forças pró-russas de Donetsk mostra uma chuva de fogo a cair sobre a siderurgia Azovstal.

Não foi possível saber o tipo de munição usada ou a data do bombardeamento, que pode ser visto aqui.

Bielorrúsia estará a ponderar apoio à Rússia devido ao risco de sanções

O Reino Unido indicou, esta segunda-feira, que o Presidente bielorrusso está a ponderar o seu apoio à invasão russa da Ucrânia, de forma a evitar a participação militar direta no conflito devido ao risco de sofrer sanções do ocidente.

O Ministério da Defesa britânico, citando informações do mais recente relatório do serviço de informação militar, publicou na rede social Twitter a informação de que a Bielorrússia anunciou o envio de forças de operações especiais para fronteira com a Ucrânia, bem como unidades de defesa aérea, artilharia e mísseis no oeste do país.

"A presença de forças bielorrussas perto da fronteira provavelmente determinará [o posicionamento] das tropas ucranianas, que não poderão ser enviadas para apoiar as operações em Donbass", referiu o relatório.

Rússia diz que situação mundial muda radicalmente com expansão da NATO

O vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergei Ryabkov, disse que a adesão da Finlândia e da Suécia à NATO tem consequências muito extensas.

Em declarações a agências russas, reveladas pela britânica BBC, Ryabkov disse que a situação mundial muda radicalmente com o alargamento da NATO. A Suécia não deve ter ilusões: a Rússia não vai tolerar a decisão sueca, acrescentou, citado pela agência Interfax.

Ucrânia reclama avanços militares no leste e aproxima-se da Rússia

O Exército ucraniano reclama a reconquista de território em Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, tendo conseguido que o "inimigo" recuasse até perto da fronteira da Rússia, disse o Ministério da Defesa ucraniano, esta segunda-feira.

De acordo com uma nota do ministério publicada na plataforma digital Facebook, os "defensores ucranianos" mantêm com "êxito" a contra ofensiva em Kharkiv, levada a cabo pela Brigada 127 das Forças Armadas da Ucrânia.

Renault anuncia venda de filial na Rússia com opção de recompra durante seis anos

A Renault anunciou hoje a venda da filial russa à autarquia de Moscovo e a participação maioritária que detinha no fabricante Avtovaz a um organismo estatal russo, reservando a opção de recompra nos próximos seis anos.

A decisão foi aprovada pelo Conselho de Administração, por unanimidade.

A possibilidade de recuperar o controlo da Avtovaz, na qual detinha 67,69% do capital, e que está agora nas mãos do Instituto Central de Investigação e Desenvolvimento de Automóveis e Motores (NAMI), está prevista no contrato de venda "em certos períodos" durante esses seis anos.

Zelensky diz que invasão russa da Ucrânia está num "beco sem saída"

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, diz que o país está preparado para refutar uma nova investida russa no Donbass, objetivo primordial de Moscovo desde que falhou a tomada de Kiev.

"Os ocupantes continuam a não admitir que estão num beco sem saída e que a chamada operação especial está falida", disse Zelensky, apelando, uma vez mais, ao embargo do petróleo russo.

"Estamos também a trabalhar para fortalecer as sanções à Rússia", disse Zelesnky, exortando os parceiros da Ucrânia a apertar o cerco, "Os ocupantes têm de sentir o aumento do custo da guerra para eles, sentir isso constantemente", disse.

MNE ucraniano participa hoje em Bruxelas em reunião da União Europeia

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, participa hoje em Bruxelas na reunião dos chefes da diplomacia da União Europeia (UE), para debater a invasão militar russa do país, quando os 27 tentam aprovar novas sanções.

A reunião, que se inicia pelas 11 horas (10 em Portugal continental), tem como pontos de agenda uma análise dos "mais recentes acontecimentos da agressão russa contra a Ucrânia" e uma "troca de pontos de vista informal sobre esta matéria com o ministro ucraniano dos Negócios Estrangeiros, Dmytro Kuleba, e a ministra canadiana dos Negócios Estrangeiros, Mélanie Joly", esta última em Bruxelas para uma reunião ministerial UE-Canadá.

A reunião dos 27 chefes da diplomacia europeia -- na qual participa o ministro português João Gomes Cravinho -- acontece numa altura em que a UE tenta negociar um embargo energético gradual à Rússia, no âmbito do sexto pacote de sanções à Rússia apresentado pela Comissão Europeia no início de maio, não se prevendo, porém, um acordo no encontro de hoje.

Bom dia, começa aqui o acompanhamento ao minuto do dia 82 da guerra na Ucrânia

Relacionadas