França

Assassino de Toulouse terá sido influenciado pelo irmão

Assassino de Toulouse terá sido influenciado pelo irmão

As primeiras pistas indicam que o irmão do assassino de Toulouse pode ter tido uma grande influência sobre os crimes cometidos por Mohamed Merah, pois Abdelkader esconde um perfil radical e de fortes convicções religiosas.

De acordo com a notícia avançada pelo jornal espanhol El Mundo, Mohamed Merah pode ter sofrido uma forte influência do radicalismo do seu irmão Abdelkader.

Segundo um presidiário que partilhou cela em 2009 com Mohamed no centro de detenção Saint-Sulpice, Abdelkader, apontado como cúmplice dos crimes do assassino de Toulouse, diz que este exercia uma grande influência sobre o irmão.

PUB

Em declarações ao diário francês "Journal de Dimanche", o ex-companheiro de cela do assassino refere-se a este como sendo "um rapaz normal que gostava de carros e de motas. Era tranquilo e alegre, até que a sua atitude mudou quando o irmão o visitou no centro de detenção".

Este detido, que prefere manter o anonimato, fala ainda das frequentes visitas da mãe e da irmã de Mohamed e que, numa ida ao estabelecimento, Abdelkader lhe levou uns cd's, um tapete e uma chilaba (túnica tradicional árabe) ." No cd ouviam-se cânticos islâmicos e escutavam-se também detonações. Eu não entendia nada de árabe, mas perguntei a outro presidiário do norte de África que me assegurou que se escutavam pessoas a serem assassinadas. Era insuportável" - afirma.

A polícia crê que o papel de Abdelkader foi muito mais relevante nos ataques de Toulouse do que se pode imaginar.

O irmão de Mohamed chegou a fazer parte da lista de suspeitos da polícia em 2007, ao ser vinculado a uma cadeia de recrutamento jihadista do Iraque. Abdelkader viajou várias vezes para o Egito com o principal acusado do caso, Sabri Essid e viu o seu nome aparecer continuamente no processo.

Abdelkader começou então a esconder as suas crenças. Em Auterive, local onde se instalou com a sua esposa há uns meses, é recordado pelos vizinhos como sendo um homem discreto que vivia com uma mulher que usava burka.

Segundo a página online do semanário "Le Point", Abdelkader assegurou nos interrogatórios que se sentia orgulhoso dos atos do irmão, apesar da sua advogada defender em público que o seu cliente "condena firmemente" e que não está nada orgulhoso do que o seu irmão fez.

De acordo com a polícia, as investigações feitas aos conteúdos dos computadores de Abdelkader em nada comprovam até agora a sua envolvência com o caso e na sua casa não foram encontrados vestígios de armas nem explosivos.

Até agora a única certeza que existe é que Abdelkader estava presente no momento do roubo da moto que mais tarde iria servir o seu irmão Mohamed para cometer os sete assassinatos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG