EUA

Assassinos do Presidente do Haiti eram mercenários "profissionais", diz embaixador

Assassinos do Presidente do Haiti eram mercenários "profissionais", diz embaixador

O embaixador do Haiti nos EUA declarou, esta quarta-feira, que os assassinos do Presidente haitiano, Jovenel Moïse, eram mercenários "profissionais" que se fizeram passar por agentes norte-americanos e poderão já ter deixado o país.

Os autores do assassínio apresentaram-se na residência do chefe de Estado, em Port-au-Prince, dizendo pertencer à Agência Norte-Americana Anti-Drogas (DEA, na sigla em inglês), mas o seu comportamento não era conforme com esse estatuto, segundo o embaixador, Bocchit Edmond.

"Foi um ataque bem orquestrado e eram profissionais", declarou o diplomata haitiano à imprensa em Washington. "Temos um vídeo, e achamos que se trata de mercenários", acrescentou.

A primeira-dama haitiana, Martine Moïse, baleada no ataque, vai ser transportada para Miami para receber tratamento. "Posso dizer-vos que foram tomadas as medidas necessárias, desde esta manhã, para a transferir para um hospital de Miami", disse o embaixador.

Está em curso uma investigação para determinar onde se encontram os assassinos, as suas motivações e as suas nacionalidades, segundo Edmond, que afirmou que eles falavam entre eles em espanhol.

O diplomata pensa que é possível que os assassinos tenham já abandonado o Haiti, provavelmente em direção à República Dominicana, um país hispanófono com o qual o Haiti partilha a ilha de Hispaniola.

PUB

"Não sabemos se eles já se foram embora ou se ainda estão no país", comentou. "Se não estiverem no Haiti, só há uma forma de terem saído e é pelas fronteiras terrestres, porque não há aviões", referiu.

Edmond afirmou também que a eventual utilização de um avião privado teria sido detetada pela aviação civil, enquanto uma saída do território pelas fronteiras terrestres passaria despercebida.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG