Referendo

Associação considera convocatória de referendo uma "fraude à lei"

Associação considera convocatória de referendo uma "fraude à lei"

A Sociedade Civil Catalã, contrária à independência da Catalunha, classificou de "fraude à lei" a convocatória do referendo sobre a independência da Catalunha, por considerar que está a ser ocultada aos catalães a "verdadeira natureza" da consulta.

A associação afirma, em comunicado, que a consulta sobre o futuro político da Catalunha é na realidade "um referendo sobre a independência, cuja verdadeira natureza e consequências estão a ser ocultadas dos catalães", sendo, por isso, ilegal.

No comunicado, divulgado após a assinatura do decreto de convocatória do referendo independentista de 9 de novembro, a associação refere que a atuação do presidente da Catalunha, Artur Mas, e dos partidos que o apoiam "pode classificar-se de fraude à lei, porque se pretende dar a aparência de legalidade a atos claramente contrários à Constituição".

Acrescenta ainda que a política do facto consumado do presidente Artur Mas e dos partidos que o apoiam "coloca o Estado e a sociedade espanhola perante uma chantagem inaceitável" e impede o diálogo e a busca de soluções.

Para a Sociedade Civil Catalã, tanto Artur Mas como os partidos apoiantes seguem "um guião de dramatização" do conflito com o Estado "cujo objetivo é manter a tensão e mobilização secessionista, de forma perigosa e irresponsável".

Considera ainda que, com a assinatura do decreto de convocatória, foi "dado um impulso definitivo para um processo de consequências perigosas para a convivência entre os catalães e para a recuperação da economia".

A associação apela ainda aos cidadãos para "não apoiarem aqueles que pretendem romper o quadro de convivência e conduzir a sociedade catalã de uma situação de tensão e conflito de consequências imprevisíveis".

PUB

A Sociedade Civil Catalã, segundo se define, é uma associação que visa promover, divulgar e fomentar a coesão e a convivência entre os cidadãos da Catalunha com o resto dos espanhóis.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG