Acordo

Austrália e Japão assinam pacto de Defesa perante ameaça chinesa

Austrália e Japão assinam pacto de Defesa perante ameaça chinesa

Os líderes do Japão e da Austrália assinaram esta quinta-feira um acordo de defesa que vai permitir uma melhor cooperação e que se apresenta como uma resposta à crescente presença militar da China na região Indo-Pacífico.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, e o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, reuniram-se esta quinta-feira numa cimeira virtual para assinar o Acordo de Acesso Recíproco, o primeiro pacto de defesa assinado pelo Japão com qualquer outro país que não seja os Estados Unidos.

O acordo surge mais de um ano após o início das negociações entre Tóquio e Camberra com o objetivo de quebrar as barreiras legais para permitir que as tropas de um país entrem no outro, para exercícios militares ou para outros fins.

"O Japão é o nosso parceiro mais próximo na Ásia, conforme ficou demonstrado com a nossa parceria estratégica especial - a única parceria desse tipo na Austrália", disse Morrison.

Por seu lado, Kishida saudou o acordo como "um instrumento de referência que elevará a cooperação de segurança entre as nações para novos patamares".

Embora a China não tenha sido mencionada nestes discursos, o significado deste acordo como uma resposta à afirmação de Pequim na região ficou implícito.

O embaixador do Japão na Austrália, Shingo Yamagami, disse que "à luz da deterioração do ambiente de segurança, o que o Japão e a Austrália podem fazer juntos é, em primeiro lugar, aumentar o poder de dissuasão".

PUB

Morrison explicou que o acordo "constituirá uma parte importante da resposta da Austrália e do Japão à incerteza" que os dois países enfrentam e garantiu que o tratado "sustentará um envolvimento maior e mais complexo na operacionalidade entre as forças de Defesa da Austrália e as forças de autodefesa do Japão".

Malcolm Davis, analista do Instituto de Políticas Estratégicas da Austrália, disse que o acordo reconhece a importância de estabelecer parcerias firmes de Defesa, para deter uma China cada vez mais agressiva.

"O Japão está a romper com as suas restrições constitucionais do pós-guerra sobre o uso da força militar", explicou Davis, falando nos riscos de uma "disputa territorial entre a China e o Japão.

O pacto assinado esta quinta-feira baseia-se no diálogo estratégico entre Japão, Austrália, Estados Unidos e Índia.

A Austrália também assinou, no ano passado, o acordo AUKUS com os Estados Unidos e o Reino Unido, através do qual estes dois países se comprometeram a ajudar Camberra a adquirir submarinos de propulsão nuclear.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG