O Jogo ao Vivo

Covid-19

Autoridades chinesas pedem desculpa por entrarem à força em casas à procura de infetados

Autoridades chinesas pedem desculpa por entrarem à força em casas à procura de infetados

As autoridades de saúde da cidade de Cantão, no sudeste da China, pediram, esta terça-feira, desculpa por terem forçado a entrada em casas particulares, à procura de contactos diretos de pacientes de covid-19 que pudessem estar escondidos.

Os trabalhadores comunitários e os funcionários de saúde do distrito de Liwan arrombaram as fechaduras e entraram em 84 casas no dia 10 de julho, depois de contactos próximos de pacientes com covid-19 terem sido encontrados escondidos em casa, alguns dos quais testaram positivo mais tarde, de acordo com o jornal oficial "Global Times".

Em comunicado, as autoridades distritais admitiram que a ação foi "rude" e "insensível" e prometeram recompensar os moradores afetados.

PUB

"A prática de investigação domiciliar de emergência é muito simples e grosseira e ignora os sentimentos dos moradores", disse em comunicado a sede distrital da comissão de prevenção e controlo de epidemias.

Uma equipa de investigação foi montada para punir os envolvidos, acrescentou.

As autoridades chinesas estão a impor medidas cada vez mais extremas, para salvaguardar a estratégia de "zero casos" de covid-19.

A estratégia inclui o isolamento de todos os casos positivos e contactos próximos, o bloqueio de bairros ou cidades inteiras e a realização de testes em massa, quando são detetados surtos.

As medidas reforçaram também os poderes dos comités de bairro, em quem o Partido Comunista Chinês confia para difundir diretrizes e propaganda a nível local, e até mesmo para a resolução de disputas pessoais.

Vários casos de agentes da polícia e funcionários dos comités a invadir casas na China foram documentados nas redes sociais. Em alguns casos, as portas foram arrombadas e os moradores ameaçados com punição, mesmo depois de testarem negativo para o vírus. Os comités montam também frequentemente barreiras de chapa metálica nas entradas dos bairros e edifícios e bloqueiam as portas de apartamentos com barras de aço, para evitar que os moradores saiam de casa ou do complexo residencial.

Os líderes comunistas da China exercem um controlo rigoroso sobre o governo, a polícia e vários instrumentos de controlo social.

No entanto, as rigorosas medidas de prevenção epidémica testaram essa tolerância, principalmente em Xangai, onde um bloqueio implacável e muitas vezes caótico resultou em protestos nas redes sociais e em confrontos entre moradores e funcionários, devido à falta de acesso a alimentos, cuidados de saúde e outros bens básicos.

As autoridades de Pequim adotaram uma abordagem mais suave, preocupadas em não provocar distúrbios na capital antes de uma importante reunião do Partido Comunista, que se realiza no outono, e na qual o presidente e líder do Partido, Xi Jinping, deve receber um terceiro mandato de cinco anos.

A estratégia de tolerância zero à doença foi apontada como necessária, para evitar um surto mais amplo entre uma população que tem menos imunidade natural. Embora a taxa de vacinação da China ronde os 90%, é consideravelmente menor entre os idosos. Foram também levantadas questões sobre a eficácia das vacinas produzidas internamente na China.

Embora o grupo chinês Fosun tenha chegado a acordo para distribuir e, eventualmente, fabricar a vacina de RNA mensageiro desenvolvida pela Pfizer e BioNTech, esta não foi aprovada para uso na China continental.

Estudos têm demonstrado consistentemente que a inoculação com vacinas de RNA mensageiro oferece melhor proteção contra hospitalização e morte pela covid-19.

As vacinas chinesas feitas com tecnologia mais antiga mostraram-se bastante eficazes contra a versão original do vírus, mas muito menos contra as novas variantes.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG