Guiné-Bissau

Autoridades exortam apoiantes de candidatos a aceitarem resultados

Autoridades exortam apoiantes de candidatos a aceitarem resultados

 As forças de segurança e defesa da Guiné-Bissau exortaram hoje os apoiantes dos dois candidatos à segunda volta das presidenciais no país a recorrerem às instâncias judiciais se não concordarem com resultados do escrutínio.

O comando "exorta aos apoiantes dos dois candidatos à segunda volta das presidenciais (...) para em caso de não se conformarem com os resultados do escrutínio a serem divulgados pela Comissão Nacional de Eleições que recorram às vias legais", refere um comunicado do chefe das Forças Armadas do país, Zamora Induta, que está a ser lido nas rádios nacionais.

O mesmo documento "chama a atenção a todos os cidadãos", que as forças de segurança e defesa não vão "permitir, em nenhuma circunstância, que alguém use violência ou destrua o Património Público, como forma de protesto contra os resultados eleitorais divulgados".

No comunicado, o chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas do país apela também à "observância dos procedimentos legais de reivindicação plasmados na Lei eleitoral guineense e, em caso de insatisfação, ao recurso às instituições judiciais vocacionadas para o mesmo".

Em 2004, após a divulgação dos resultados eleitorais das eleições legislativas apoiantes do Partido de Renovação Social (PRS) manifestaram-se nas ruas de Bissau, entrando em confrontos com a polícia.

Os confrontos provocaram a morte a quatro pessoas.

A Guiné-Bissau realiza hoje a segunda volta das eleições presidenciais.

Os cerca de 600.000 eleitores vão escolher um novo chefe de Estado, após o Presidente "Nino" Vieira ter sido assassinado na sua residência em Bissau, a 02 de Março.