EUA

"Bandidos". Trump ameaça usar força contra protestos pela morte de George Floyd

"Bandidos". Trump ameaça usar força contra protestos pela morte de George Floyd

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, chamou "bandidos" às pessoas envolvidas nos protestos de Minneapolis contra a morte de George Floyd ameaçando que "quando as pilhagens começarem, os tiros vão começar".

As considerações do chefe de Estado foram transmitidas, esta sexta-feira, através da rede social Twitter na sequência dos protestos que eclodiram na cidade de Minneapolis.

Manifestantes indignados com a morte de George Floyd, o afro-americano que morreu sob custódia policial, invadiram uma esquadra da polícia em Minneapolis e incendiaram o local.

Um porta-voz da polícia da cidade do Estado de Minnesota confirmou que a terceira esquadra, situada perto do local onde Floyd morreu, foi evacuada "no interesse da segurança do pessoal". O incêndio deu-se pouco depois das 22 horas de quinta-feira (5 horas desta sexta-feira em Portugal continental).

Anteriormente Trump tinha afirmado que a morte de Floyd o fazia sentir "muito mal" e que estava "chocado".

No entanto, a linguagem do presidente dos Estados Unidos, nas habituais mensagens através do Twitter, endureceu nas últimas horas referindo-se diretamente aos manifestantes.

"Estes 'BANDIDOS' estão a desonrar a memória de George Floyd e eu não vou deixar que isso aconteça", escreveu Trump.

"Acabei de falar com o governador Tim Waltz e disse-lhe que pode contar com os militares. Assim que aconteça qualquer dificuldade nós assumimos o controlo. Quando as pilhagens começarem, os tiros começam", escreveu Trump.

A cidade de Minneapolis registou nas últimas 24 horas outros 30 incêndios tendo-se verificado atos de pilhagens perto do local onde Floyd morreu.

George Floyd, um afro-americano de 46 anos, morreu na noite de segunda-feira em Minneapolis, após uma intervenção policial violenta, cujas imagens foram divulgadas através da internet.

Floyd foi detido por suspeita de ter tentado pagar com uma nota falsa de 20 dólares num supermercado. Num vídeo filmado por transeuntes e divulgado nas redes sociais, é possível ver um dos agentes pressionar o pescoço da Floyd com o joelho durante vários minutos.