Covid-19

Bélgica acrescenta Paris à lista de destinos europeus não recomendados para viajar

Bélgica acrescenta Paris à lista de destinos europeus não recomendados para viajar

O Ministério dos Negócios Estrangeiros belga acrescentou esta quarta-feira Paris à lista de destinos europeus não recomendados, que obriga os viajantes a submeterem-se a um teste à covid-19 e a quarentena à chegada à Bélgica.

A Roménia, algumas regiões da Bulgária e da Croácia, grande parte de Espanha e três departamentos franceses (Bouches-du-Rhône, Guiana, Mayotte) já estavam classificados como "zonas vermelhas".

Esta quarta-feira, Paris e os departamentos vizinhos de Seine-Saint-Denis e Val-de-Marne, bem como os de Sarthe (centro-oeste), Hérault e Alpes-Maritimes (sul) foram acrescentados à lista, de acordo com a página do ministério na Internet.

As autoridades sanitárias belgas consideram que as viagens ao estrangeiro constituem um importante fator de risco para a propagação do vírus no país, onde os novos casos (menos de 500 por dia) estão de novo em declínio, após um recrudescimento em julho e agosto.

Em agosto, 22% dos que tiveram resultados positivos tinham acabado de regressar de uma viagem, de acordo com números divulgados esta quarta-feira pelo instituto científico de saúde pública Sciensano.

Por outro lado, em agosto em Bruxelas, apenas uma minoria (40%) dos viajantes que regressavam de "zonas vermelhas" aceitaram submeter-se ao rastreio, apesar de teoricamente obrigatório, segundo a agência noticiosa Belga.

PUB

O primeiro-ministro francês, Jean Castex, apelou na quarta-feira ao povo francês para "assumir a responsabilidade" pelo ressurgimento da epidemia.

"Há algumas semanas, estavam a ser diagnosticados mil casos por dia, (hoje) são cerca de três mil", disse.

Apesar do aumento de casos, Jean Castex insistiu que França precisa de regressar ao trabalho e evitar "cair numa crise económica e social que seria muito mais perigosa do que a crise sanitária".

O primeiro-ministro, que falou à rádio France-Inter e, mais tarde, num fórum de empresários, exortou os franceses a usar mais a máscara, mas insistiu que as crescentes infeções por coronavírus em todo o país "não são motivo de pânico".

Na segunda-feira, a Alemanha já tinha classificado Paris como "zona de risco", juntamente com os outros departamentos da Ile-de-France e a região Provence-Alpes-Côte d'Azur.

Toda a Espanha, com exceção das Ilhas Canárias, assim como a capital belga, Bruxelas, e várias regiões da Roménia, Bulgária e Croácia são consideradas "zonas de risco" pelas autoridades alemãs, o que obriga os turistas que regressam de férias a submeter-se a um teste obrigatório e a uma quarentena.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG