Crise Financeira

Bispo denuncia situação social "trágica" na Grécia e pede ajuda a Bento XVI

Bispo denuncia situação social "trágica" na Grécia e pede ajuda a Bento XVI

O presidente dos bispos católicos gregos pediu ao papa Bento XVI para intervir a favor do povo da Grécia que se encontra "numa situação social trágica", segundo uma entrevista hoje publicada num jornal italiano.

"Espero que o meu apelo chegue ao papa. Precisamos de ajuda para prestar assistência ao povo grego. A situação social é trágica", afirmou, em declarações ao jornal "Il Messaggero", Francesco Papamanolis, ao comentar os efeitos das medidas de austeridade impostas pela União Europeia (UE) e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) ao Governo de Atenas.

O prelado, que vive na ilha grega de Syros, descreveu que o hospital local está sem aquecimento, numa altura em que a Grécia também sente os efeitos das baixas temperaturas, bem como alertou que os cofres dos bispos estão quase vazios, que estão a ser obrigados a vender bens imobiliários para fazer face aos novos impostos.

Na mesma entrevista, Francesco Papamanolis lamentou que os episcopados de outros países europeus não sejam solidários com a Grécia.

"Também informámos a Congregação para as igrejas orientais do Vaticano. Lançamos vários apelos. Até agora nada. Imagino que eles leem jornais e sabem o que se está a passar", afirmou Francesco Papamanolis.

"Nós, os católicos, somos uma pequena minoria na Grécia, mas temos contribuído para a sociedade", concluiu.

O gabinete do primeiro-ministro grego, Lucas Papademos, confirmou na sexta-feira à noite que o governo de coligação tinha aprovado "unanimemente" o acordo imposto pela zona Euro e respectivas medidas de austeridade para garantir um segundo plano de resgate, vital para o país evitar a bancarrota.

PUB

O acordo incluiu despedimentos na função pública e uma redução nos custos da mão-de-obra, de forma a que a Grécia possa receber um empréstimo de resgate de 130 mil milhões de euros antes de 20 de Março, quando o país terá de reembolsar 14,5 mil milhões de euros aos detentores de dívida pública grega.

O novo pacote de austeridade prevê um corte de 22% no salário mínimo, uma redução de 15% nas pensões complementares e o despedimento de 15 mil funcionários públicos já este ano, para cumprir uma meta de 150 mil redução de postos de trabalho na função pública até 2015.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG