Mundo

Bolívia quer conhecer responsáveis por incidente com avião do presidente

Bolívia quer conhecer responsáveis por incidente com avião do presidente

O Presidente da Bolívia, Evo Morales, exigiu no sábado saber quem são os responsáveis pelos incidentes que levaram a que o seu avião fosse impedido de aterrar em vários países europeus por suspeitas de transportar Edward Snowden.

Numa reunião com apoiantes perto de Cochabamba, o Presidente debateu a decisão de França, Itália, Espanha e Portugal de não permitir que o avião aterrasse ou sobrevoasse o território, considerando que isso "obrigou a um debate profundo" sobre os "problemas de caráter político e diplomático" que a decisão acarretou.

Morales teve de permanecer 13 horas em Viena à espera que fosse desenhado outro plano de voo quando alguns países impediram que o seu avião sobrevoasse ou aterasse em território nacional, o que motivou um forte protesto por parte da Bolívia e alguns pedidos de desculpa, como no caso de Espanha, ou "uma palavra de reparação", para usar as palavras que a diplomacia portuguesa escolheu para analisar o sucedido.

Para o presidente boliviano, as ações destes quatro países foram motivadas pelos Estados Unidos, que pretendem a extradição do ex-consultor dos serviços secretos norte-americanos, Edward Snowden, acusado de divulgar informações dos programas secretos de vigilância de registos telefónicos e comunicações na Internet a partir de agências do Governo.

As autoridades bolivianas têm mantido reuniões com apoiantes do presidente, nomeadamente sindicalistas, que pretendem a expulsão dos embaixadores destes países e a revisão dos contratos com empresas dos países envolvidos neste incidente diplomático, de acordo com a agência EFE.

A extradição de Edward Snowden, que está na área de trânsito do aeroporto de Moscovo desde 23 de junho, é exigida pelos Estados Unidos, que o acusam de violar a sua lei de espionagem.

Segundo um advogado russo que tem mantido contacto com o ex-consultor dos serviços secretos norte-americanos, este terá pedido asilo temporário à Rússia, o que lhe dá o direito de permanecer pelo menos mais três meses no país, enquanto o pedido é apreciado.