Brasil

Bolsonaro diz que pode agir por decreto contra restrições da covid-19

Bolsonaro diz que pode agir por decreto contra restrições da covid-19

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse esta quarta-feira que pode emitir um decreto para garantir aos cidadãos a "liberdade" de "trabalhar" e de "ir e vir", parcialmente restringida por medidas de autoridades regionais contra a disseminação da covid-19.

"Ninguém pode ser feliz se não tiver liberdade", afirmou Bolsonaro num evento sobre telecomunicações, no qual voltou a criticar as restrições à circulação de pessoas, já bastante relaxadas, mas ainda em vigor em muitas cidades do país.

Jair Bolsonaro aludiu às manifestações de rua realizadas no passado final de semana pelos seus apoiantes contra as medidas restritivas e disse que "o povo está a ir às ruas" e "está disposto a dar a vida pela liberdade", afirmação à qual o Governo não ficará indiferente.

"Nas ruas começam a pedir ao Governo para decretar. E se eu decreto, isso será cumprido e não será suspenso por nenhum tribunal", declarou Bolsonaro, numa clara alusão ao Supremo Tribunal Federal (STF), que ratificou o poder constitucional e autorizou governadores de estado e prefeitos a suspender atividades para conter infeções pelo novo coronavírus.

"Onde isso deu poderes a governadores e prefeitos para nos levar à miséria, roubar milhões de empregos, não deixar as pessoas trabalharem, proibir ir à igreja", acrescentou o Presidente, que acrescentou ao seu discurso as suas críticas habituais à imprensa.

Bolsonaro, conhecido por negar a gravidade da pandemia, também fez alusão a uma comissão do Senado, criada por pressão da oposição para apurar possíveis omissões do Governo no combate à covid-19 e insistiu que a investigação parlamentar deveria concentrar-se em supostos casos de corrupção com a compra de equipamentos médicos, denunciados nas administrações regionais e municipais.

Além disso, como fez em outras ocasiões, o Presidente brasileiro questionou a origem da covid-19.

PUB

"É um vírus novo. Não se sabe se nasceu em laboratório ou se foi de um homem que comeu um animal. Sabemos que há guerras bacteriológicas", declarou Bolsonaro, que destacou, numa alusão direta à China, que neste contexto se deve referir "qual é o país cujo PIB [Produto Interno Bruto] mais cresceu com a pandemia".

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo ao contabilizar 411.588 vítimas mortais e mais de 14,8 milhões de casos confirmados de covid-19.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.230.058 mortos no mundo, resultantes de mais de 154,2 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG