Brasil

Bolsonaro fotografado ao lado de detido envolvido na morte de Marielle Franco

Bolsonaro fotografado ao lado de detido envolvido na morte de Marielle Franco

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, foi fotografado ao lado de um dos suspeitos detidos no âmbito do assassinato de Marielle Franco. É a segunda vez que Bolsonaro é "apanhado" em fotografias ao lado de suspeitos envolvidos no crime de Marielle.

Preso na quinta-feira, acusado de ter atirado ao mar as armas que foram usadas na morte de Marielle, Josinaldo Lucas Freitas gostava de publicar fotos nas redes sociais ao lado de políticos. Numa das imagens, o professor de artes marciais foi fotografado junto a Jair Bolsonaro.

As imagens foram divulgadas pela revista "Veja" que as tinha desde julho, mas que atrasou a sua publicação por estar em curso uma investigação criminal.

Numa das fotografias, o lutador e o político aparecem a sorrir para a câmara, fazendo o sinal positivo. Numa outra imagem, os dois aparecem novamente juntos. A revista não foi capaz de confirmar o local exato onde a segunda fotografia terá sido captada, mas aponta para a possibilidade de ter sido tirada durante um comício de Bolsonaro.

Djaca também publicou fotos nas redes sociais ao lado do vereador Marcello Siciliano, que foi ouvido pelas autoridades devido à morte de Marielle. Numa outra imagem, o lutador foi fotografado ao lado do vereador Carlos Bolsonaro.

Fotos tramam Bolsonaro

Já em março, uma foto de Bolsonaro com Élcio Vieira, antigo polícia acusado de ter conduzido o carro usado na morte de Marielle, começou a circular nas redes sociais.

A detenção de Élcio confirmou as suspeitas de que os responsáveis da morte de Marielle estariam envolvidos com os gangues paramilitares, conhecidas como "milícias", que controlam grande parte do Rio de Janeiro, e que normalmente são constituídas por polícias ou antigos polícias.

"Eu tenho fotos com milhares de policiais, do Brasil ", disse o presidente a jornalistas na altura.

Quatro detenções num dia

Quatro suspeitos de terem participado no assassínio da política e defensora dos direitos humanos brasileira Marielle Franco foram presos no Rio de Janeiro, incluindo a mulher e o cunhado do ex-polícia acusado de ser o atirador, Ronnie Lessa.

Segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), os detidos são suspeitos de terem feito desaparecer a metralhadora usada para matar Marielle Franco e o motorista do carro em que ela viajava, Anderson Gomes, em março de 2018.

Além de Josinaldo, de Elaine, e do seu irmão, foram ainda detidos José Márcio Mantovano e Josinaldo Lucas Freitas. São acusados de atuarem para "impedir e embaraçar a investigação criminal que apura a participação de uma organização criminosa nos homicídios da vereadora Marielle Franco e do seu motorista Anderson Gomes".

Segundo a "Revista Forum", Djaca contratou uma pessoa para o ajudar a largar as armas no mar da Barra da Tijuca. O homem, ouvido pela polícia local, disse que viu algumas armas de fogo. Entre elas, acredita a polícia, estará a usada para a morte de Marielle.

Proximidade entre Lessa e Bolsonaro

Um inquérito desenvolvido pela Polícia Civil confirmou que Ronnie Lessa viveu no Condomínio Vivendas da Barra, na Barra da Tijuca. O presidente Bolsonaro e a família viveram muito perto do local, incluindo durante a campanha para as eleições.

Além da proximidade no que toca às moradias, a "Revista Forum" indica que o filho mais novo de Bolsonaro terá namorado com a filha de Lessa