O Jogo ao Vivo

Brasil

Bolsonaro nomeia amigo próximo para liderar polícia federal

Bolsonaro nomeia amigo próximo para liderar polícia federal

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, nomeou hoje André Mendonça como novo ministro da Justiça e Segurança Pública, após a demissão de Sergio Moro, e Alexandre Ramagem para ocupar o cargo de diretor-geral da Polícia Federal do país.

Mendonça é advogado e trabalha em órgãos públicos desde fevereiro de 2000. Após a posse de Bolsonaro, passou a ocupar o cargo de Advogado-geral da União (AGU), tornando-se responsável por defender o Governo em processos judiciais.

Ramagem é delegado da Polícia Federal desde 2005 e já ocupou diversos cargos dentro desta corporação. Em 2018 assumiu a coordenação de segurança da campanha presidencial de Bolsonaro, tornando-se seu amigo próximo e dos seus filhos.

Ramagem foi nomeado superintendente regional da Polícia Federal no estado brasileiro do Ceará em fevereiro de 2019, mas acabou por assumir o cargo de assessor especial da Secretaria de Governo da Presidência da República.

Em julho do ano passado, tornou-se diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (ABIN), cargo que deixa para dirigir a partir de agora a Polícia Federal.

As duas nomeações foram publicadas esta madrugada no Diário Oficial da União, quatro dias após o início de um escândalo que culminou no polémico pedido de demissão de Sergio Moro do cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública.

Na sexta-feira, Moro acusou o Presidente brasileiro de tentar interferir politicamente em investigações da Polícia Federal, forçando a exoneração do ex-chefe daquele órgão, delegado Maurício Valeixo, decisão de que o então responsável da Justiça discordou.

Após ter lançado estas acusações contra Jair Bolsonaro, em declarações aos jornalists, Sergio Moro anunciou que iria remeter ao Presidente a sua carta de demissão.

A suspeita levantada pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública é de que o Presidente brasileiro tentou interferir na Polícia Federal para obter informações sobre investigações sigilosas que envolvem os seus filhos e aliados próximos.

Já Bolsonaro negou que tenha praticado qualquer interferência política naquele órgão e acusou o ex-ministro de o pressionar para ocupar uma cadeira de juiz no Supremo Tribunal Federal (STF) que ficará vaga em novembro próximo.

As declarações de Moro levaram o procurador-geral da República, Augusto Aras, a pedir uma investigação para apurar as denúncias, já autorizada pelo STF.

Outras Notícias