Brasil

Bolsonaro recebe a faixa e promete prioridade para a educação básica

Bolsonaro recebe a faixa e promete prioridade para a educação básica

O novo Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, assumiu, esta terça-feira, no seu primeiro discurso no Palácio do Planalto, o compromisso de dar prioridade à educação, sobretudo à educação básica.

"Pela primeira vez, o Brasil irá priorizar a educação básica, que é o que realmente transforma o presente e faz o futuro dos nossos filhos", afirmou no discurso, após ter recebido a faixa presidencial, no Palácio do Planalto, em Brasília ao lado da sua mulher, Michelle Bolsonaro.

Bolsonaro defendeu que o Brasil tem de olhar para "nações que são exemplo em todo o mundo que, pelo meio da educação, encontraram o caminho da prosperidade".

"O dia em que o povo se começou a libertar do socialismo"

O Presidente brasileiro ultraconservador Jair Bolsonaro tinha prometido na véspera da tomada de posse erradicar o que considerava a "porcaria marxista" em que se tornaram as instituições de ensino no Brasil. Esta terça-feira, no discurso que proferiu junto ao Palácio do Planalto, em Brasília, voltou ao assunto.

"Coloco-me diante de toda a nação neste dia como o dia em que o povo se começou a libertar do socialismo, a libertar-se da inversão de valores, do gigantismo estatal e do politicamente correto", disse Bolsonaro perante milhares de apoiantes e ladeado pela sua mulher e por uma intérprete de linguagem gestual.

"As eleições deram voz a quem não era ouvido, a voz da rua e das urnas foi muito clara", disse o novo Presidente num discurso em que, no final, levantou uma bandeira do Brasil e disse: "Esta é a nossa bandeira, jamais será vermelha, e daremos o nosso sangue para mantê-la verde e amarela".

Antes de cumprimentar os 11 chefes de Estado que foram assistir em Brasília à sua tomada de posse, entre os quais os presidentes de Portugal e Cabo Verde, após ter recebido a faixa presidencial no Palácio do Planalto, Bolsonaro prometeu "promover as transformações" de que o Brasil precisa e lembrou que o Brasil tem "recursos naturais abundantes e terras férteis abençoadas".

Num discurso menos institucional e mais virado para a base de apoio que o escutava, Bolsonaro disse ter conseguido montar um governo "sem conchavos ou acertos políticos", destacando os "ministros técnicos e capazes" que escolheu no final de uma campanha que disse ser "a mais barata da história".

Falando diretamente para os apoiantes, Bolsonaro disse: "Podemos, eu, você, as nossas famílias, todos juntos restabelecer padrões éticos e morais que transformarão o nosso Brasil".

A corrupção, os privilégios e as vantagens "precisam de acabar, os favores politizados devem ficar no passado, par que o Governo e a economia sirvam de verdade toda a nação", vincou o chefe de Estado do Brasil, vincando que tudo o que o Governo vai fazer "a partir de agora tem um propósitos comum e inegociável", que é colocar "os interesses dos brasileiros em primeiro lugar".

Bolsonaro prometeu ainda "fazer reformas, ampliar infraestruturas, simplificar a burocracia, tirar o peso do Governo, acabar com a ideologia que criminaliza os polícias e desculpa os criminosos, e que levou o Brasil a viver elevados índices de violência e crime organizado".

Jair Messias Bolsonaro tomou hoje posse como 38.º Presidente da República Federativa do Brasil, com um mandato que vai até 31 de dezembro de 2022.