O Jogo ao Vivo

Itália

Bombeiros trabalharam toda a noite mas não encontraram mais sobreviventes em Génova

Bombeiros trabalharam toda a noite mas não encontraram mais sobreviventes em Génova

Os bombeiros trabalharam toda a noite nos destroços do viaduto Morandi, em Génova. Em condições difíceis, recorreram à ajuda de cães para procurar sobreviventes do desastre.

"Há obviamente esperança de que os socorristas encontrem sobreviventes, mas quanto mais o tempo passa, mais difícil é", disse o comandante da polícia local, Riccardo Sciuto.

Apesar da esperança, as buscas noturnos não trouxeram nada de novo. Nem sobreviventes nem vítimas. O número de vítimas mantém-se nos 39 mortos e 16 feridos, nove dos quais em estado grave.

Na quarta-feira, o Governo italiano declarou o "estado de emergência" por 12 meses em Génova e anunciou que vai desbloquear uma verba de cinco milhões de euros do fundo de emergência nacional.

"Este é um primeiro passo do Governo perante esta tragédia", declarou o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte.

O executivo vai também declarar um dia de luto nacional, mas o governante referiu que está ainda por determinar o dia, já que o objetivo é coincidir com os funerais das vítimas.

O acidente ocorreu na terça-feira, às 11.36 horas (10.36 em Portugal continental), quando um troço de cerca de 100 metros da ponte Morandi, com um quilómetro de comprimento e 90 metros de altura, caiu e arrastou vários veículos para o abismo.

O ministro das Infraestruturas italiano, Danilo Toninelli, exigiu a demissão da direção da empresa Autostrade per l'Italia (autoestradas de Itália), filial da Atlantia e responsável pela gestão da ponte.

A concessionária assegurou que o viaduto estava sujeito a controlos periódicos, em conformidade com as normas do país.