Covid-19

Boris Johnson avalia medidas para conter variante descoberta na Índia

Boris Johnson avalia medidas para conter variante descoberta na Índia

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, deverá anunciar esta sexta-feira medidas para conter os surtos de casos de covid-19 em Inglaterra relacionados com a variante descoberta na Índia perante a subida do índice de transmissibilidade.

Johnson, que esta semana se manifestou preocupado com o crescente número de casos, vai liderar uma conferência de imprensa sobre a situação epidémica no país juntamente com o diretor-geral de saúde, Chris Whitty.

O Ministério da Saúde anunciou na noite de terça-feira ter enviado uma equipa especial de rastreamento para a zona de Bolton, no norte de Inglaterra, com 100 enfermeiros e técnicos de saúde para fazer testes à população em operações porta a porta.

Foi também feito um reforço de testagem e rastreamento em 15 outras áreas do país para poder ser feita uma sequenciação dos casos positivos que permita avaliar a prevalência da variante B1.617.2, considerada preocupante pelas autoridades britânicas.

Dados publicados na quinta-feira davam conta de uma duplicação do número de casos, de 520 para 1.310, numa semana, a maioria dos quais no noroeste de Inglaterra, mas também na região de Londres.

Estas áreas são também aquelas com um índice de transmissibilidade (Rt) mais elevado, o que fez o valor médio nacional em Inglaterra subir ligeiramente para entre 0,8 e 1,1 (0,8-1 na semana passada).

Quando o número está acima de 1 (um), a pandemia pode crescer exponencialmente, mas quando está abaixo de 1, significa que está a diminuir.

PUB

"Estamos a acompanhar a situação com muito cuidado e não hesitaremos em tomar outras medidas, se for necessário", afirmou o ministro da Saúde, Matt Hancock.

O Governo disse não descartar voltar a impor restrições económicas e sociais a nível local ou regional se existirem indícios de que a variante é resistente às vacinas, o que ainda não é claro.

Embora ainda não existam provas firmes para mostrar que esta variante tem maior impacto na gravidade da doença ou contorna a vacina, a velocidade com que o número de casos estão a aumentar está a preocupar o Governo.

Alguns autarcas de zonas afetadas apelaram a um reforço da vacinação e o alargamento aos jovens, já que até agora o programa só está aberto a maiores de 38 anos, mas o Ministério da Saúde ainda não autorizou.

"Estou furioso. Não consigo entender por que o JCVI ou o Ministério de Saúde estão a impedir os diretores locais de Saúde Pública de tomarem as medidas que sabem que vão travar o aumento da variante", disse o diretor de Saúde Pública em Blackburn e Darwen, Dominic Harrison, à BBC.

O Comité Conjunto de Vacinação e Imunização [Joint Committee on Vaccination and Immunisation, JCVI] é o organismo que aconselha o Governo sobre a implementação do programa de vacinação, nomeadamente os grupos prioritários.

"Se tivermos um aumento da transmissão em grandes números, mesmo se não tivermos hospitalizações, será muito prejudicial para as escolas e locais de trabalho" porque as pessoas terão de ficar em isolamento, vincou Harrison.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG