Reino Unido

Boris Johnson pede desculpa por festas, mas recusa demitir-se

Boris Johnson pede desculpa por festas, mas recusa demitir-se

O primeiro-ministro britânico pediu esta terça-feira desculpa mas recusou demitir-se, após ser multado por uma festa de aniversário em Downing Street em infração das normas anti-covid-19, uma sanção sem precedentes para um chefe de Governo britânico em exercício.

"Quero já dizer-vos que paguei a multa e que apresento mais uma vez as minhas desculpas", declarou Boris Johnson à televisão britânica BBC, acrescentando, quando questionado sobre os apelos para a sua demissão: "Quero agora continuar e cumprir o mandato que me cabe".

Embora em janeiro se pensasse que Johnson poderia ver-se obrigado a demitir-se por causa da crise batizada como "Partygate", o dirigente conservador parece agora protegido por as atenções se terem desviado para a guerra na Ucrânia.

A punição, hoje anunciada por Downing Street, constitui, no entanto, um revés grave para Boris Johnson, que não só infringiu a lei, mas também correu o risco de assegurar não ter feito nada de ilegal no parlamento, quando houve festas de despedida, aperitivos ao sol e outras celebrações durante os períodos de confinamento para combate à pandemia de covid-19, reveladas nos últimos meses pela imprensa.

Ao pedir desculpa na televisão, explicou que essa festa-surpresa de aniversário realizada a 19 de junho de 2020, na sala do conselho de ministros, para assinalar o seu 56.º aniversário, durou "menos de dez minutos".

"Devo dizer francamente que não me pareceu, na altura, que tal infringisse as regras", sustentou.

Embora garantindo "compreender a raiva", descartou os apelos à demissão feitos nomeadamente pelo líder dos trabalhistas, Keir Starmer, e pela primeira-ministra independentista escocesa, Nicola Sturgeon.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG