Pandemia

Brasil ultrapassa os mil mortos por covid-19 em 24 horas

Brasil ultrapassa os mil mortos por covid-19 em 24 horas

O Brasil contabilizou pela primeira vez mais de mil mortos em 24 horas, num total de 1179 óbitos e 17408 infetados, o maior número diário registado desde o início da pandemia no país, informou esta terça-feira o executivo.

No total, o país sul-americano totaliza 17971 óbitos e 271628 pessoas diagnosticadas com covid-19, tornando-se no segundo país do mundo com o maior número de novos casos, apenas atrás dos Estados Unidos, segundo o portal Worldometer, que compila quase em tempo real informações da Organização Mundial da Saúde, dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças, de fontes oficiais dos países, de publicações científicas e de órgãos de informação.

O aumento no número de mortes no Brasil foi de 7%, passando de 16.792 na segunda-feira para 17971 esta terça-feira. Em relação ao número de infetados, o crescimento foi de 6,8%, passando de 254220 para 271628 casos confirmados de infeção.

O Ministério da Saúde indicou que está ainda a ser investigada a eventual relação de 3.319 óbitos com a doença provocada pelo novo coronavírus.

A tutela informou também que 106794 pacientes com covid-19 já recuperaram, sendo que 146.863 continuam sob acompanhamento.

São Paulo continua a liderar a lista dos estados com maior número de casos, totalizando 65995 pessoas diagnosticadas com covid-19 e 5147 mortes, sendo seguido pelo Ceará, que tem esta terça-feira 28112 casos de infeção e 1856 vítimas mortais desde a chegada da pandemia ao país.

PUB

O Rio de Janeiro é a terceira unidade federativa a concentrar o maior número de casos, num total de 27805 casos confirmados e 3079 mortos.

Do lado oposto, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul continuam a ser as únicas unidades federativas do Brasil que ainda não ultrapassaram os mil casos da covid-19.

No dia em que o país bateu recordes de mortos e infetados, o Ministério da Saúde do Brasil usou a sua conferência de imprensa diária sobre a pandemia de covid-19 para falar de uma campanha sobre leite materno.

"Mesmo no meio da pandemia, mulheres saudáveis podem continuar a doar leite e a ajudar a salvar vidas", indicou a secretária substituta da Secretaria de Atenção Primária à Saúde, Daniela Ribeiro, numa das poucas menções que fez à pandemia durante a conferência de imprensa, mostrando-se preocupada com a diminuição do número de doadoras nos primeiros quatro meses do ano.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 320 mil mortos e infetou quase 4,9 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 1,7 milhões de doentes foram considerados curados.

Outras Notícias