Incêndios

Bruxelas enaltece "belíssimo exemplo" de Portugal

Bruxelas enaltece "belíssimo exemplo" de Portugal

O porta-voz da Comissão Europeia para Ajuda Humanitária e Proteção Civil enalteceu o "belíssimo exemplo" de Portugal, que ofereceu ajuda à Suécia e à Grécia para combater os violentos incêndios que lavram naqueles países.

Em declarações aos jornalistas, durante uma visita ao Centro de Coordenação de Resposta de Emergência da União Europeia, em Bruxelas, Carlos Martin Ruiz de Gordejuela confirmou a oferta de ajuda à Grécia por parte de Portugal, que já esta terça-feira enviou dois aviões médios anfíbios para a Suécia, explicando que a receção desta se encontra pendente de aprovação por parte das autoridades gregas.

"Há uma série de países que responderam, entre eles Portugal, que também já contribuiu para os incêndios na Suécia. É uma grande demonstração de solidariedade. Penso que conseguimos dar um exemplo do que é a solidariedade: quando um país precisa, é ajudado, quando pode ajudar, ajuda. Neste caso, Portugal é um belíssimo exemplo", defendeu o porta-voz comunitário.

Carlos de Gordejuela esclareceu que a gestão das ofertas de ajuda recebidas através do Mecanismo Europeu de Proteção Civil, acionado na segunda-feira pelo Governo grego, compete às autoridades nacionais de cada Estado-Membro.

"A situação muda constantemente e são eles os responsáveis por gerir essas ofertas de ajuda. Digamos que neste caso há mais ofertas do que pedidos, o que comprova que conseguimos dar a resposta adequada ao que a Grécia está a solicitar", sublinhou.

O porta-voz comunitário para Ajuda Humanitária e Proteção Civil vincou que os incêndios na Grécia são "uma situação em evolução".

"Há poucos minutos foi confirmado que a Grécia aceitou receber aviões da Itália", referiu ainda.

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, anunciou que Portugal disponibilizou 50 elementos da Força Especial de Bombeiros (FEB) para ajudar a combater os incêndios na Grécia.

Os incêndios que devastaram os arredores de Atenas provocaram, pelo menos, 74 vítimas mortais, anunciou a porta-voz dos bombeiros, Stavroula Maliri, revendo em alta o anterior balanço de 60 vítimas.