Moda

Burberry queima roupa de luxo no valor de 30 milhões de euros

Burberry queima roupa de luxo no valor de 30 milhões de euros

A Burberry, marca de moda de luxo britânica, destruiu mais de 30 milhões de euros em produtos indesejados este ano, para que não entrassem no mercado negro.

A marca, avaliada em cerca de 10 mil milhões de euros pela revista "Forbes", admitiu que queimou produtos que não foram vendidos, de acordo com o "The Times". A empresa disse ainda que utilizou incineradores especializados para aproveitar a energia produzida.

A Burberry defendeu as suas ações, dizendo que é uma prática normal na indústria, sendo que a marca de moda H&M já admitiu queimar produtos indesejados. A Richemont, empresa que detém as marcas Cartier e Montblanc, destruiu relógios no valor de mais de 448 milhões de euros em dois anos.

Marcas de luxo destroem produtos que ficam no stock na tentativa de proteger a propriedade intelectual e o valor da marca. Alegadamente, estas empresas não querem que os produtos sejam vendidos com taxas de desconto noutros locais ou pelas pessoas "erradas", uma vez que isso pode desvalorizar a marca.

A marca, formada por Thomas Burberry em 1856, tem visto o valor dos resíduos aumentar em 50% em dois anos, devido a uma queda contínua nas vendas. Mais de 100 milhões de euros em produtos da Burberry foram destruídos nos últimos cinco anos.