Itália

Buscas por 20 desaparecidos após avalancha nos Alpes italianos

Buscas por 20 desaparecidos após avalancha nos Alpes italianos

Aumentou para 20 o número de montanhistas desaparecidos após a derrocada de parte de um glaciar em Marmolada, nos Alpes italianos, no domingo, e que causou seis mortos e nove feridos.

Esta segunda-feira vão continuar as operações de busca, sendo que durante a noite as autoridades usaram aparelhos voadores não tripulados (drones) equipados com câmaras de visão noturna para tentarem localizar as pessoas que ainda se encontram desaparecidas.

As condições meteorológicas são determinantes para continuar a intervenção direta das equipas de resgate no terreno tendo em conta o frio e as baixas temperaturas.

Os socorristas receiam que as pessoas desaparecidas possam não ter sobrevivido devido à violência da avalancha de gelo, neve e rochas que chegou a atingir os 200 quilómetros por hora após a derrocada de um "serac", termo utilizado para denominar as fraturas nos glaciares na região.

Até ao momento o balanço de vítimas indica que morreram seis pessoas: três italianos, um cidadão checo, além de um homem e de uma mulher cuja identidade ainda não foi apurada.

As autoridades estão a investigar os parques de estacionamento da zona de onde partem as cabinas do teleférico para Marmolada porque se encontram nos parques 16 automóveis cujos proprietários não regressaram após o desastre.

PUB

A derrocada de parte do glaciar (Marmolada) ocorreu após vários dias em que se fizeram sentir altas temperaturas na zona, onde os termómetros atingiram os 10 graus centígrados.

A tragédia nos Alpes italianos obriga a sérias reflexões sobre o aquecimento global, que está a fazer desaparecer os glaciares alpinos.

De acordo com Roberto Coluci, especialista do Centro Italiano de Investigação (CNR), fenómenos iguais podem voltar a ocorrer.

Um estudo recentemente publicado por Coluci indica que "dentro de 25 ou 30 anos o glaciar de Marmolada vai deixar de existir".

"A esta velocidade provavelmente vai acontecer antes. A projeção global indica que em 2100, na melhor das hipóteses, vão desaparecer 70% dos glaciares alpinos e na pior 96%", aponta.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG