Mundo

Cameron quer política de "tolerância zero" no combate à violência nas ruas

Cameron quer política de "tolerância zero" no combate à violência nas ruas

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, prometeu que o seu governo terá "tolerância zero" com a violência nas ruas inglesas, os saqueadores e todos os que querem provocar distúrbios. Esta medida assemelha-se à usada nos EUA, em que até pequenos delitos são vistos como graves para passar uma mensagem clara aos delinquentes.

Numa entrevista publicada, este domingo, no "The Sunday Telegraph", Cameron insistiu que haverá mão pesada com todos os que tentarem regressar às ruas para cometerem actos de violência como os que afectaram recentemente Londres e outras cidades na últimas semanas.

No sábado, foi ainda anunciado que um antigo chefe da polícia de Nova Iorque tinha sido chamado para ser consultor das autoridades britânicas no controlo da violência.

"Ainda não falamos o suficiente a linguagem da tolerância zero, mas a mensagem está a passar", garantiu Cameron ao jornal britânico. O primeiro-ministro já revelou que autorizou o uso de canhões de água para parar actos de violência e que a polícia pode exigir a pessoas na rua que mostrem a cara, se a tiverem tapada. Na entrevista, foi deixada ainda a ameaça de que o Governo poderá investigar mensagens nas redes sociais, se estas estiverem a ser utilizadas para instigar a violência.

O primeiro-ministro calculou que cerca de 100 mil famílias necessitam de ajuda do Governo e prometeu medidas para combater a crise e assegurou que não está preocupado que alguém veja esta política como um "estado pequeno".

Cameron voltou a questionar a actuação da polícia no início dos distúrbios londrinos, que provocaram avultados prejuízos materiais e centenas de detidos.

Na sua opinião, as tácticas policiais "não funcionaram" no início dos confrontos, porque as polícia organizou-se para fazer frente apenas a protestos contra a morte de Mark Duggan.

Contudo, adiantou, as forças de segurança deveriam ter alterado a sua estratégia quando os protestos se agudizaram e se transformaram e roubos e violência.

Até este domingo foram detidas cerca de 1.700 pessoas, muitos deles jovens, por distúrbios cometidos em várias cidades do Reino Unido.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG